Os clientes entram, por estes dias, nos supermercados de Luanda e de contas feitas compram socorrendo-se de listas ou catálogos de preços.O cuidado no momento de escolher e até mesmo pelo custo do que se quer levar são indicativos de como a apetência ao consumismo caiu.Nas prateleiras os produtos até abundam em muitos casos, mas o preço de cada um deles pede a reflexão antes de leva-los.
O leite UHT ou em líquido como é usual chamar-se entre nós está há semanas sem campanhas de promoções e fixados em preço tidos como altos, para determinadas marcas.Já lá se foram as épocas em que um pacote de 1 litro custava entre 190 a 250 kwanzas.
Por agora, eles variam entre os 300 e os 500 kwanzas.
Com os leites em líquidos também acompanham a tendências as latas de 1,8 quilograma do leite em pó. São dos prosutos com preços estáveis, mas com tendência para a variação em alta. Também pode-se enquadrar nesse grupo o frango e os peixes frescos, que estão mesmo com preços de acelerar os batimentos cardíacos dos clientes.
Os consumidores ressentem de todo este cenário e, ao que parece, está-se numa boa ocasião para os promotores do mercado de distribuição aumentarem as vendas em promoções de leva dois ou baixa de preços como forma de trazer os clientes mais para o circuito formal.A carne também, aliás, mostra esta tendência de alta e inibe o consumo.Há claramente a necesidade dos programas de fomento à produção interna acelerarem a sua materialização. Nisso, a participação dos empresários deve ser mais acertiva, pois a produção importada continua a encarecer.