A cebola é dos 54 produtos protegidos no programa do Executivo angolano de substituição das importações e sobre os quais a intenção de comprar fora por parte dos empresários só se efectiva provada a incapacidade da oferta interna.
Embora os dados oficiais apontem para a autosuficiência interna, o preço do quilograma da hortícola é ainda dos mais caros nos supermercados e mesmo em mercados informais (ver na tabela ao lado).
O sentimento generalizado de quem compra é o de que aqueles produtos com oferta interna devem ter os preços razoavelmente mais baixos, com o objectivo de não pesarem nas contas das famílias, porquanto, e no caso concreto da cebola, são produtos de consumo obrigatório.
Daí que, os actuais custos de oferta das hortícolas e mesmo parte dos principais produtos listados na tabela dos 54 que foram eleitos devido à certa garantia de oferta interna, faz-se necessário alinhar-se as intenções ao controlo rigoroso do sistema de preços, afinal a cebola e outros ainda pesam no somatório do que se precisa gastar para as refeições.
Aliás, são os preços de oferta de determinados bens que determinam, na visão da livre concorrência das economias de mercado, a sua procura e o desejado equilíbrio entre as duas variáveis (procura e oferta). Nesta semana, os operadores variar um pouco para cima os preços comparativamente à semana passada.