A instituição, primeira no continente africano, vai desenvolver e aproximar as relações comerciais entre os países

O Centro de Negócios da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), a ser construído em Talatona, vai ser inaugurado, finalmente, em Dezembro próximo.

Segundo disse ao JE, o coordenador de imagem e acesso a mercados da Apex-Brasil, Gilberto Lima, o centro, está destinado a reforçar as intenções de investimentos e a suportar as empresas brasileiras em Angola.

Para ele, a escolha de Angola como a primeira sede de um Centro de Negócios da Apex-Brasil no continente africano deve-se à grande afinidade cultural e ao incremento do comércio bilateral e dos investimentos brasileiros no país, nos últimos anos.

“Angola é, actualmente, o principal receptor de investimentos brasileiros no continente africano e dezenas de empresas brasileiras actuam no país, principalmente na área de infra-estrutura e, por sua vez, o Brasil é o quarto principal fornecedor para a Angola, atrás apenas de Portugal, China e Estados Unidos”, disse.

O objectivo do Centro de Negócios de Luanda, reforçou, é aproximar os empresários dos dois países e tornar a relação comercial mais profunda e permanente.

“O nosso objectivo é facilitar a compreensão, pelas empresas brasileiras, das oportunidades de negócios em Angola, tanto em relação aos investimentos e parcerias motivados pelo momento vivido pelo país de substituição de importações e estímulo ao desenvolvimento do sector agro-industrial, quanto em relação às exportações”, sublinhou.

Além de ser um ponto de apoio, quer para empresas brasileiras, como para firmas angolanas interessadas em investir e se instalar num dos dois países, o Centro de Negócios também vai dar assistência e prestar serviços de consultoria às empresas brasileiras que pretenderem investir e se fixar no mercado angolano.

A abertura do centro, segundo Gilberto Lima, trará como benefícios para investidores angolanos o acesso à fonte brasileira de inteligência e de negócios, de inteligência comercial e de investimentos, assim como consultoria e acessória sobre o Brasil.

Implantação

Em Luanda, está o executivo brasileiro Alexandre Trabbold, a quem a Apex-Brasil contratou para se responsabilizar pela implantação do Centro de Negócios e pelo trabalho de articulação e relacionamento com o governo e empresários angolanos.

“Toda a parte legal com a Agência Nacional para o Investimento Privado angolano (ANIP) já foi realizada, o espaço para o centro já foi arrendado, pelo que a parte burocrática está bastante avançada e, em Dezembro de 2010, abriremos o centro”, garantiu Gilberto Lima.

Números

Com este reforço nas relações comerciais, a República Federativa do Brasil pretende ultrapassar a fasquia dos dois mil milhões de dólares norte-americanos do volume de negócios previsto para este ano.

O responsável indicou que o valor será resultado de investimentos de empreendedores brasileiros nas áreas da construção, venda de máquinas e equipamentos, assim como de materiais agrícolas.

Segundo dados disponíveis, Angola é o principal parceiro comercial do Brasil na África, porquanto a corrente de comércio entre os dois países cresceu 185 por cento entre 2005 e 2009, passando de 520 milhões de dólares para 1,5 mil milhões de dólares.

Em 2009, por exemplo, as exportações brasileiras para Angola foram de um bilião e 300 milhões de dólares, resultantes da exportação sobretudo de veículos, máquinas e equipamentos, carnes e móveis, tendo o Brasil importado de Angola derivados de petróleo.

Contudo, a Apex-Brasil tem desenvolvido diversas acções no país. Em 2008, por exemplo, realizou um encontro entre 252 empresários angolanos e 66 empresas comerciais exportadoras (tradings) brasileiras, que fizeram negócios e parcerias nos sectores de alimentos e bebidas, casa e construção, vestuário, calçados, jóias e máquinas industriais.

Entre 2000 e 2008, Angola deixou de ser o 52º mercado de destino das exportações brasileiras para se tornar no 23º mais importante mercado, sendo o Brasil o quarto maior fornecedor angolano.

Leia mais sobre outras notícias na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação