A preocupação de o sistema bancário disponibilizar soluções que incentivem à poupança, sobretudo aos menores, foi abordada pelo senior Auditor da Ernst & Young, Oseias Casimiro, para quem, há que se trabalhar na oferta de produtos mais convidativos.

Que produtos e serviços financeiros podem incentivar a poupança aos menores?
Apesar de em alguns bancos em Angola já existirem produtos com esta natureza, estes ainda apresentam pouca atractividade aos pais no intuito de
promoverem uma poupança adequada. Assim, se uma criança de cinco anos, hoje, for detentora de uma conta poupança, criada através de seus pais, na qual é depositado um certo valor mensal, daqui há alguns anos ou já na maioridade, se as taxas de juros forem atractivas ao que incentivarão os depósitos dos pais, ela poderá comprar um computador ou mesmo financiar a sua universidade.

Como é que os bancos devem fazer chegar a sua mensagem sobre a poupança?
O processo de educação financeira é o melhor caminho para transmitir a informação sobre poupança, que deve ser adequada ao meio em que cada um está inserido. Para as crianças, a utilização de desenhos animados e banda desenhada sobre lições de poupança atrai-as mais facilmente e estes devem mostrar a elas que ao invés de comprar, diariamente, doces, faça poupança para num futuro comprar a roupa que muito gosta. Há também a necessidade de as mensagens serem passadas nas línguas nacionais, para que seja abrangente e alcance o maior número de potenciais clientes.
Nos mercados informais e aos vendedores ambulantes, que são em grande número, deve-se mostrar as vantagens de trabalharem com os bancos.

Sente nas famílias angolanas preocupação com a poupança?
Bem, falar de poupança, nesse particular, é preciso recorrer ao rendimento, pois que quanto maior for o nível de renda, em que o inivíduo consiga suprir as suas necessidades básicas, maior será também a probabilidade de poupar. As famílias sempre pouparam, mesmo à sua maneira, alguma coisa. Talvez o que ocorra é que as poupanças estão fora do sistema oficial, no caso concreto da banca comercial. Ainda assim, temos de considerar que de uma inflação de 7,8 por cento, em 2015, os dados mais recentes do BNA situam a inflação em 36,03 por cento, porém a última actualização salarial foi feita em 8,0 por cento. Daqui pode-se aferir as dificuldades de se gerarem poupanças nesse momento.

DECISÃO
ORÇAMENTO FAMILIAR
CONSIDERADO RELEVANTE

O orçamento familiar é uma ferramenta que lhe permite controlar e acompanhar as despesas, administrar os rendimentos da sua família
e facilitar no acto de poupar e investir. Envolve fazer contas de quanto dinheiro entra e sai no final de cada mês e garantir que a soma
das receitas da família seja superior à soma dos gastos.

GASTOS
PLANEAR EXIGE DISCIPLINA

Despesas fixas – encargos que têm de ser sempre realizados, como pagamento da renda de casa, prestações de empréstimos contraídos, seguros;
Despesas variáveis – encargos que têm de ser feitos, mas o seu valor varia conforme as escolhas feitas pelo agregado familiar, como despesas com alimentação, consumo de água, gás e electricidade;

Despesas imprevistas – encargos que podem ser reduzidos ou eliminados, (como idas a concertos, viagens) e encargos inesperados (gastos com saúde e multas).

BANCA
CONTA KANDENGUE É OFERTA BFA

O Banco de Fomento Angola (BFA) tem à disposição dos clientes a “conta Kandengue BFA”, uma aplicação à prazo, renovável por um ano, e com subscrição de 30 mil kwanzas. O montante mínimo de refoço é de cinco mil kwanzas.
Através de um prospecto publicitário, o BFA desafia aos pais, cujo pensamento ou preocupação esteja no futuro dos filhos e de como poderá fazer frente a despesas de educação, de formação e saúde, para subscreverem a esta natureza de conta e poupar dinheiro.
Ao que apuramos, a taxa anual revisível no momento de renovação, de acordo com as condições de mercado, é de 8,00 por cento.