O controlo da inflação em Angola será uma “batalha muito dura de vencer”, se não for perfeitamente normalizado o abastecimento de bens de primeira necessidade, especialmente de produção própria, disse na segunda-feira, em Luanda, a secretária de Estado para o Orçamento e Investimento Público.
Aia-Eza da Silva, que falava no encerramento de uma formação a jornalistas do sector público e privado que lidam com matérias económicas, referiu que para se ultrapassar tal desafio contam com os resultados, a médio prazo, das apostas realizadas para o fomento da indústria nacional, em diversos sectores.
Reiterou que o menor volume de divisas disponíveis tem efectivamente de ser canalizado para a importação de bens de primeira necessidade e para a produção de bens nacionais que reduzam a dependência do exterior.
Realçou que os resultados previstos, no quadro das apostas feitas, trarão mais e melhor emprego, mais rendimento para as famílias, gerando uma receita tributária maior e mais sustentável.
Acrescentou que ao iniciar-se este ciclo poderá reequilibrar o Orçamento Geral do Estado, com menos défices.