O Banco de Crédito do Sul (BCS) aumentou o seu capital social para 10 mil milhões de kwanzas, com a entrada de capital, por emissão e subscrição de novas acções, no valor de seis mil milhões de kwanzas.
O aumento do capital social, que ocorreu a 20 de Junho do ano em curso, inteiramente realizado pelos accionistas, fica acima do mínimo exigido pelo Aviso nº02/2018 do Banco Nacional de Angola (BNA), sobre a Adequação do Capital Social mínimo e dos Fundos Próprios Regulamentares das Instituições Financeiras Bancárias.
Com o novo instrutivo do BNA, os bancos comerciais são obrigados a triplicar o capital social, passando de Kz 2,5 mil milhões para 7,5 mil milhões de kwanzas até 31 de Dezembro deste ano.
O aumento agora realizado assume efeitos imediatos, de acordo com a presidente do conselho de administração do BCS, Maria do Céu Figueira, citada pela nota de imprensa
do banco chegada esta
semana à Angop.
O banco registou resultados positivos em 2017, com destaque para o resultado líquido de Usd 2.839.500, rentabilidade dos capitais próprios em 36%, rácio de eficiência (Cost-to-Income), em 40%, Rácio de solvabilidade regulamentar 32%, taxas consideradas bastante superiores ao exigido pelo regulador (10%).
A referida instituição bancária registou, de igual modo, o aumento de captação de recursos de clientes com a integração do modelo de negócio do
banco, centrado no cliente.
O aumento do capital demonstra que o banco assume o compromisso com o crescimento da economia de Angola, dos seus empresários e dos cidadãos. A banca nacional deve reforçar o apoio aos esforços para maior industrialização do país, criação de empregos, redução da dependência das importações, o reforço da posição nos mercados financeiros mundiais, de modo a facilitar o acesso ao financiamento externo.