A aquisição do crédito mal-parado existente na banca pública angolana, numa primeira fase, foi adoptada como área de actuação da nova sociedade anónima de capitais públicos “Recredit”, entidade apresentada pelo ministro das Finanças, Archer Mangueira, na última sexta-feira (19) à noite, em Luanda.
O organismo, totalmente detido pelo Estado, vai assim ajudar a banca nacional na recuperação de créditos mal-parados e aposterior dedicar-se na compra de tais activos em
posse dos bancos privados.
Segundo Archer Mangueira, “esta nova instituição vem coadjuvar a banca nacional no domínio do crédito concedido, libertando-a de processos paralisados e que a tolhem quando chamada a cumprir uma das suas principais missões, a de conceder crédito à economia”, disse.
Para que todas as intenções sejam cumpridas, a Recredit deverá seguir o foco de através dos recursos aportados pelo Estado à si e que são públicos, envolver todos os actores da banca, assegurando-se da abertura e da disponibilidade dos parceiros na criação das melhores soluções no quadro
do interesse nacional.

Decisão pioneira
Com essa decisão, o Executivo angolano assume, uma vez mais, um papel pioneiro na resolução dos problemas financeiros que comprometem o desenvolvimento económico e social, porquanto poucos países seguiram até agora este caminho, segundo fez saber o ministro das Finanças.
A Recredit está autorizada, conforme fez saber o governante, a criar Fundos de Apoio à Recuperação da Economia Nacional, bem como a usar e gerir outros instrumentos financeiros que potenciem o seu objecto social.
“Pretendemos que esta empresa, detida pelo Estado, se transforme num veículo saudável e regenerador da nossa estrutura económica. Temos confiança em que os seus órgãos sociais e os seus quadros saberão percorrer com eficiência este caminho”, manifestou.
Os indicadores sobre a estrutura funcional da nova empresa criada avançam que ela, que é de capitais 100 por cento públicos, tem no Ministério das Finanças a entidade que deverá exercer e representar os poderes e obrigações do Estado em consequência da reabilitação iniciada no Banco de
Poupança e Crédito (BPC).
A nova entidade, a “Recredit” é um veículo financeiro que tem como actividade principal a aquisição, recuperação e valorização de activos de crédito, impulsionando a criação de oportunidades para um aproveitamento mais eficaz dos activos provenientes ou gerados pelos
fluxos financeiros de crédito.
O processo de refundação da banca iniciado no BPC deve em breve envolver o BCI e alargar-se para entes privados
caso se apresente necessário.