O Produto Interno Bruto (PIB) per capita de Angola poderá crescer dos cerca de 5.700 dólares (554,998 kwanzas) de 2012 para mais de 6000 (584,208 kwanzas) em 2014, segundo previsões avançadas por Tiago Dionísio, co-autor de um estudo da Eaglestone , citado pelo jornal Financial Mail, da África do Sul.

Este aumento, segundo Tiago Dionísio, irá “cimentar a sua posição de Angola como uma das poucas economias da África Subsahariana de renda média” .  O PIB da África do Sul per capita foi de 11.281 dólares (mais de um milhão de kwanzas) em 2012, avançou o Fundo Monetário Internacional (FMI).

O estudo da Eaglestone adianta, de igual modo, ser esta a principal razão da deslocalização de várias empresas sul-africanas para o mercado angolano.

”Angola está no bom caminho para cumprir a sua promessa de ser uma das grandes histórias de sucesso económico da África Subsahariana “, adianta Tiago Dionisio , analista da  Eaglestone e um dos autores do estudo.

“Angola tem sido bem sucedido em usar o bónus  de altos preços do petróleo para diversificar a sua economia “, afirma  o responsável,  para quem o Plano Nacional de Desenvolvimento de Angola tem como objectivo duplicar o número de projectos de investimento a cada ano entre 2013 e 2017.

De acordo com o jornal sul-africano e citando o estudo, a diversificação económica está a impulsionar um dos maiores pontos fortes e atracções da economia angolana para investidores estrangeiros: a expansão da sua classe média.

O artigo do Financial Mail, assinado por Stafford Thomas, baseia-se no estudo da Eaglstone e refere ainda que a diversificação económica e a expansão da classe média de Angola também estão a desempenhar um papel crucial na redução da forte dependência do país em relação ao petróleo, do qual é o segundo maior produtor da África. Embora o petróleo ainda domine a economia de Angola, a sua importância está em declínio.

A contribuição de petróleo para o PIB de Angola caiu de 56 por cento em 2002 para 46 em 2012 e continuará a cair , afirma o estudo da Eaglestone. Em 2014 , o sector do petróleo de Angola deverá crescer 4,7 por cento, enquanto outros sectores como o de retalho, construção, bancos e comunicações vão crescer em 8,3. Em geral, acredita a Eaglestone, o PIB de Angola deverá crescer 6,3 por cento em 2014 , acima dos 5,6 em 2013. A longo prazo, a empresa coloca a taxa de crescimento sustentável anual do PIB de 5 a 7 por cento.

Outros factores
De acordo com o estudo, há outros factores que também tornam Angola menos vulnerável a uma queda acentuada do preço do petróleo.

“Angola tem um saldo orçamental positivo e uma baixa dívida pública”, disse.

As reservas internacionais, acrescenta, também estão a um nível “ mais confortável “, depois de ter subido de 19,5 mil milhões em 2010 para mais de 37 mil milhões em 2013. O Financial Mail diz que as reservas da África do Sul ficaram em 50 mil milhões no final de Setembro.