O fundador e presidente do Conselho de Administração da Quantum Global, Jean-Claude Bastos de Morais, negou veementemente qualquer ligações com a transferencia dos 500 milhões de dólares transferidos pelo ex-governador do BNA para um banco londrino.
Ele disse que alegações não correspondem a verdade e diz que nem a Quantum Global nem ele tomararam parte da referida transacção, e que não tiveram qualquer envolvimento nela.
Por isso, o fundador e presidente do Conselho de Administração da Quantum Global insta a FSC para que respeite o devido processo, já que nota-se que quaisquer medidas adicionais tomadas sem o cumprimento do devido processo irão causar ainda mais danos significativos.
As autoridades financeiras das Maurícias anunciaram o congelamento de sete fundos geridos pelo suiço-angolano Jean-Claude Bastos de Morais, no seguimento de uma reunião do primeiro ministro com um representante do Governo angolano. Na sua exposição enviada à imprensa angolana, o empresário afirma que está a ser prejudicado, mas mantém-se confiante e resolutos na sua capacidade de se defender vigorosamente e planeia fazê-lo, quando entender plenamente as razões específicas que levaram às acções
tomadas contra seu o grupo.
A Quantum Global pediu formalmente que a Comissão de Serviços Financeiros (FSC) das Maurícias apresente uma explicação clara da sua decisão em suspender as licenças da empresa na semana passada e que permita à companhia ter uma audição justa.