Novecentos milhões de kwanzas é o valor da dívida acumulada dos últimos seis anos, na província do Bengo, pelos clientes da Empresa Nacional de Distribuição de Energia (ENDE).
Apesar de estes dados serem referentes apenas à província do Bengo, a empresa continua a registar a subida da dívida em algumas cidades. “Ao longo de um mês não conseguimos ir além de cinco por cento de recuperação da mesma”, informou à Angop, o director do centro de distribuição da Ende no Bengo, Lucas Pedro Machado.
Neste momento, a empresa de electricidade trabalha com os clientes da rede de baixa tensão (domésticos), com os quais tem sido mais fácil resolver a situação de cobrança, sublinhou.
Quanto às instituições públicas, disse, nestas há ainda muito trabalho pela frente, porque não está a ser fácil a adesão ao pagamento.
As alternativas encontradas para começar a recuperar a dívida passam pela negociação e pela instalação de contadores pré-pago, referiu o responsável.
O objectivo é colocar o sistema pré-pago nos locais cuja dívida é avultada, para começar a amortizá-la, pontualizou.
Melhoria no fornecimento
A Empresa Nacional de Distribuição de Energia (ENDE) vai, em 2020, melhorar e concluir os projectos de electrificação das comunas do Terreiro, Kauando e do Panguila (sector 2) naquela província.
O programa da Ende inclui também a expansão dos serviços aos demais bairros, melhoria na arrecadação de receitas, redução das perdas comerciais, uma facturação correcta e a formação de quadros.
“No próximo ano vamos melhorar a qualidade de fornecimento de electricidade nos bairros dos municípios do Ambriz e Dande, locais onde estamos instalados”, informou à Angop, o director do centro de distribuição da Ende no Bengo, Lucas Pedro Machado.
Quanto ao processo de montagem do sistema pré-pago, garantiu que o serviço vai abranger os 23 mil clientes que a Ende controla actualmente
nos dois municípios.
Este ano, a empresa de distribuição de energia no Bengo ganhou mil e 500 novos clientes no sistema pré-pago, ao fazer 900 ligações no Ambriz e 600 no bairro Kicoca, no desvio da barra.
O responsável considerou o ano que termina, positivo, a contar pelo volume de trabalho realizado e pelo número de clientes ganhos.
Já em Ondjiva, capital do Cunene, a Ende recuperou, de Janeiro a Dezembro deste ano, kz 67 milhões da dívida acumulada pelos seus clientes desde 2000, representando 9,5 por cento do valor total. A dívida acumulada de clientes estava contabilizada em kz 698 milhões.