O momento de comprar sempre exige cálculos. Feitos aos dedos das mãos ou com o auxílio de uma máquina calculadora, comprar é um exercício de contas e escolha, pois requer vezes sem conta a combinação do menor preço com a qualidade do que se pretende adquirir.
Hoje em dia, o comum no interior dos supermercados é ver pessoas/clientes com listas a levantar apenas preços ou mesmo a comprar só o recomendável.
O tempo do excesso ficou para outros momentos e as famílias estão mais racionais.
A contenção das despesas é a primeira medida na poupança, antes mesmo de pensar-se no aumento das receitas.
O que trazemos nessa edição, apesar de ser o habitual levantamento semanal, é o cálculo de quanto custam os 24 produtos disponíveis na tabela ao lado e onde afinal é que é mais barato, feita a combinação de todos os itens.
Uma vez estarmos num mercado de livre iniciativa, apesar de existirem preços de referência e vigiados noutros produtos, a verdade é que a procura ainda determina a oferta de bens e serviços. Por essa razão, boas compras.