Os 550 grandes contribuintes controlados no sistema fiscal são, em regra, responsáveis por 76 por cento da arrecadação anual em impostos colectados pela Administração Geral Tributária (AGT).
Por essa razão e face a uma hipotética evasão fiscal, em 2017 mandou-se instaurar um processo de recadastramento e reavaliação do que cada um dos chamados grandes contribuintes tem dado às finanças do Estado.
Nesta altura, soou o alerta e no fim veio a saber-se que foram mais de 500 milhões de kwanzas (3,1 milhões de dólares), os valores que deixaram de entrar aos cofres do Estado, tudo devido a um esquema de corrupção no seio da Administração Geral Tributária (AGT), envolvendo um administrador e funcionários de topo e da base colocados na repartição dos grandes contribuintes. Até ao momento, estão todos detidos, preventivamente, enquanto decorrem investigações para a apuração das suspeitas.
Mas de desvios e prisões nas Finanças não se ficou por aí, pois no tesouro nacional foi preso o director Edson Vaz, acusado de ter facilitado um esquema de pagamentos com recursos  públicos a empresas fantasmas.
No seu comunicado lacónico, o Ministério das Finanças confirmou a detenção do funcionário “suspeito da prática de ilícitos criminais
no exercício das suas funções”.
Para muitos estava claro o compromisso do “novo normal” de que faz apelo reiteradas vezes o ministro Archer Mangueira, sobretudo o da moralização do funcionário das Finanças.
“Deles tem-se requerido carácter, competência e responsabilização, o que será cada vez mais reforçado, tendo sempre presente a presunção da inocência e a separação entre os poderes Executivo e Judicial”, alegou o Ministério em comunicado.
A par disso, os 10 meses de 2017 (Janeiro a Outubro) ficaram também marcados por um desempenho das cobranças do Imposto Predial Urbano (IPU) abaixo das estimativas. Embora os 27 mil milhões de kwanzas colectados sejam em 1,0 por cento superior aos valores de 2016, ainda assim estiveram abaixo do que se pretendeu arrecadar nesse segmento (7,0% abaixo da previsão do OGE/2017). Aliás, o IPU é uma contribuição que a população contesta o seu pagamento sob a defesa de que os imóveis não são reconhecidos e falta à volta destes serviços públicos que justificariam o  pagamento do devido imposto.
Nesse ano, isso de Janeiro a Outubro, a AGT arrecadou somente 1,1 trilião de kwanzas em receitas fiscais, seis por cento abaixo do que ficou traçado em previsão.