O processo de construção das rodovias continua no sentido de revitalizar o sector económico e proporcionar desenvolvimento no meio rural

A implementação do programa de reabilitação das principais vias rodoviárias tem proporcionado, nos últimos anos, um crescimento sócio-económico do país.

O processo de construção das rodovias continua no sentido de revitalizar o sector económico e proporcionar um desenvolvimento no meio rural. Além das estradas, o Executivo está a recuperar as principais pontes nacionais.

Estradas e pontes

Elaborado em 2004, o Programa de Reabilitação de Estradas de Angola permitiu já a recuperação de mais de cinco mil quilómetros de infra-estruturas rodoviárias nos períodos de 2008 a 2009, abrangendo estradas nacionais e secundárias em todo o território nacional.

Esta empreitada foi executada no âmbito do programa de reestruturação da malha rodoviária do país.

Segundo o director-geral do Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA), Joaquim Sebastião, vai ser ainda adicionada mais de sete mil e quinhentos de rede fundamental e complementar no período 2011/2013. Deste número, estão inclusos 1.400 pontes.

Em diversas regiões do país foram instaladas, nos últimos anos, mais de 100 pontes metálicas com capacidade de suportar cargas de até 30 toneladas. Porém, o INEA considera uma mais-valia a instalação de centrais Betuminosas em Luanda, Benguela e Namibe, com a capacidade de produção de 12 toneladas/hora, o que tem ajudado a acelerar o curso dos trabalhos, reduzindo significativamente os custos das obras.

Garantias financeiras

A recuperação rodoviária está a ser executada pelo Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) e pelo Gabinete de Reconstrução Nacional (GRN), através de recursos ordinários do Tesouro (OGE). Conta, também, com o financiamento externo para a cobertura de encargos resultantes da execução de obras no âmbito das linhas de crédito concedidas por alguns países, como Alemanha, Portugal, China, Brasil e Espanha.

Com o propósito de dar continuidade ao projecto da construção das estradas, todas as obras paralisadas devido ao atraso no pagamento às empreiteiras, serão reabilitadas a partir deste mês, segundo avançou o director-geral do INEA, durante o workshop sobre as parcerias público-privadas e a modernização das infra-estruturas rodoviárias de Angola”, realizado no passado dia 28 de Setembro de 2010.

Leia mais sobre esta e outras notícias na edição impressa doJornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação