Comprar em armazéns, cantinas, lojas ou outros operadores do sector de distribuição a Grosso & a Retalho pode ser uma armadilha. Vezes sem conta o que sai-nos mais barato, talvez pela metade do preço, pode ser “gato por lebre”. Esta semana fizemos uma ronda pela zona da clínica Multiperfil, no Morro Bento, em Luanda, para junto de lojistas e armazenistas conferir o respeito ao direito do consumidor. O mote foi o facto de inúmeros clientes, nas conversas, reivindicarem em razão de vários produtos comprados por si não resistirem até à data do prazo de garantia. Há ainda, para agravar o cenário, quem vê o produto adquirido passados alguns dias do prazo de garantia dado. E a resposta é: não há devolução. Os gestores de stock e de vendados de alguns dos supermercados que visitamos, embora tenham preferido falar sob anonimato, dizem mesmo que o melhor é sempre comprar em revendedores oficiais, aos quais se pode reclamar caso esta ou aquela avaria se verifique. Prova foi o cliente João Manuel que numa das supeficieis comerciais adquiriu um televisor ao preço promocional e no prazo de validade apreentou defeito. Levou de volra para trocar e foi aceite.