Mais de 600 empresas, entre nacionais e estrangeiras, participam na vigésima edição da Feira Internacional de Luanda.


A 28ª edição da Feira Internacional de Luanda (FILDA) inicia hoje, em Luanda, com a participação de 650 empresas entre nacionais e estrangeiras. Sob lema “os desafios da atracção de investimentos: estratégias, legislação, instituições, infra-estruturas e recursos humanos”, o certame destaca os sinais de crescimento económico que o país tem vindo a registar nos últimos anos. Além disso, promove as potencialidades do mercado angolano de forma a captar recursos privados para o desenvolvimento sustentável. Numa área total de 30 mil metros quadrados em espaço aberto e coberto, a maior bolsa de negócios acolhe todos os sectores da economia nacional, desde a banca, turismo, telecomunicações, tecnologias de informação, indústria metalomecânica, transformadora e de calçados, petroquímica, materiais de construção, hotelaria, petróleo, ambiente e energia, agricultura, alimentação e bebidas.

Presenças

A presente edição vai acolher um total de 300 empresas nacionais e 350 estrangeiras. Além da participação das províncias, no caso de Malanje, Zaire e Benguela, que vão demonstrar as potencialidades do país no sector da agricultura e agro-pecuária, a FIL tem confirmadas presenças de 24 países. O destaque recai para o Brasil, que participa como convidado especial, Portugal, Espanha, Alemanha, China, França, Inglaterra, Estados Unidos de América, Índia, Tunísia, Noruega, Itália, África do Sul, Ghana, Argentina e Quénia. Estreiam-se no certame o Paquistão, a Turquia, a Indonésia, Macau, Cabo Verde, a Etiópia e a Guiné Equatorial.

Sectores em exposição

Nesta edição, Portugal vai participar com 100 empresas nos diferentes sectores desde a banca, construção civil, materiais de construção civil e imobiliária.

Para este ano, Alemanha vai participar no certame com 15 empresas, representando os sectores de medicina, indústria transformadora, agricultura, ambiente e educação. A queda do número de participação alemã na presente edição será superada nas próximas edições com a recente vinda da chanceler alemã, Angela Merkel a Angola.

Venda de stands

Quanto à comercialização de espaços para a exposição, custaram, em média, 186 dólares o metro quadrado, sendo no mínimo nove metros quadrados de espaço de exposição reservado para cada participante, o equivalente a 1.674 dólares. Os encargos por metro quadrado varia, em função de um conjunto de factores que vão desde a localização, tempo de inscrição, natureza e o sector da actividade da empresa.

Horários

A abertura da Filda será de segunda à sexta-feira das 14 às 21H00, sábado e domingo das 11 às 19 horas. Os bilhetes custam três mil kwanzas.

Eventos anuais

A FIL organiza ainda este ano, as feiras de Minas de Angola (Agosto), da Mulher Angolana (Setembro), Alimentícia-Angola (Setembro), Fashion Business (Outubro), Angola TIC (Novembro), Energia e Águas de Angola (Novembro), Constrói-Angola (Novembro), Educa Angola (Novembro), ExpoTrans (Novembro) e Angola Motor Show (Novembro).

Leia mais sobre outras notícias da actualidade na edição imprensa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação