Segundo faz recordar uma nota do Ministério das Finanças dirigida aos órgãos de imprensa, a mesma vai no sentido da concessão de subsídios, nos termos fixados pelo Decreto Presidencial n.º 84/19, de 21 de Março, que aprova a sua atribuição.
O documento que vem esclarecer as reacções aos recentes pronunciamentos de Sílvio Burity, presidente do Conselho de Administração da AGT, lembra que os subsídios, na visão do Executivo, representam um estímulo importante para o fortalecimento do sector produtivo do país, para o aumento da produção nacional, do emprego e por conseguinte da melhoria da qualidade de vida das populações.
Lembrar que o presidente do Conselho de Administração da Administração Geral Tributária (AGT) fez um pronunciamento sobre os subsídios aos combustíveis para a agricultura e pescas, durante um encontro com empresários do sector agrícola, realizado recentemente na província do Cuanza Sul, cujo impacto mediático tem suscitado algumas dúvidas.
Apesar destes depoimentos favoráveis, a opinião especializada aguarda que ainda este mês seja regulamentada a Lei que aprova os respectivos subsídios, uma vez que no próximo mês de outubro inicia mais uma campanha agrícola e tais subsídios fariam toda a diferença junto dos camponeses, sobretudo aqueles que estão associados em cooperativas e são parceiros preferenciais do Estado.