O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou para 3,3 por cento na última terça-feira (9) as previsões de crescimento para a economia mundial em 2019, devido a uma desaceleração generalizada, especialmente nas economias mais desenvolvidas.
Segundo o relatório “Perspectivas para a Economia Mundial”, a economia do planeta vai experimentar um crescimento de 3,3 por cento neste ano, um recuo de 0,2 ponto em relação às previsões feitas em Janeiro, embora as projecções para 2020 permaneçam inalteradas, com expansão de 3,6.
O Fundo recomenda que a China e a Alemanha, dois dos principais motores da economia mundial, adoptem medidas a curto prazo para
estimular o crescimento.
A instituição apelou, ainda, ao Banco Central Europeu que prossiga com o estímulo às economias regionais depois de ter revisto em baixa o crescimento da Zona Euro para 1,3 por cento, este ano, e 1,5 em 2020.
No caso de Angola, segundo a VOA, o país deverá crescer este ano 0,4 por cento, muito abaixo dos 3,5 previstos para a África subsahariana no seu todo, disse o FMI.
Nas suas perspectivas para a economia mundial, o FMI disse ainda, que o crescimento previsto para este ano em Angola é o pior dos países exportadores de petróleo da região, nomeadamente Nigéria, Gabão, Chade e República do Congo.
O crescimento para este ano em Angola é contudo uma recuperação em relação à retracção de -1,7 por cento registada no ano passado e o estudo prevê que no próximo ano Angola registe um crescimento de 2,9 por cento embora ainda abaixo dos 3,7 previstos para a região subsahariana.
No que diz respeito aos preços do consumidor, o FMI prevê um aumento de 17,5 por cento este ano e 11,1 no próximo ano.
A organização projecta ainda um défice da conta corrente este ano de 3,8 por cento do PIB e isso cairá para 1,9 no próximo ano.