Sem ser a antecâmara do congresso dos serviços de hotelaria e restauração que acontece, nos próximos dias, em Luanda, os preços dos hotéis na última semana dispararam com uma alta justificada pelo feriado prolongado que se observou.
Na cidade do Sumbe, província do Cuanza Sul, de acordo com dados da Angop, no local, os turistas nacionais e estrangeiros sugeriram o aumento da rede hoteleira e a redução dos preços de hospedagem, como forma de se atrair mais pessoas na edição de 2020 do Festival Internacional da Música no Sumbe “FestiSumbe”.
A escassez de espaços de acomodação e os preços elevados na cidade do Sumbe obrigaram a que muitos farristas procurassem aposentos no município do Porto Amboim, cerca de 60 quilómetros do Sumbe.
De acordo com a reportagem, dia antes (14) do FestiSumbe e no próprio da realização do espectáculo (15), dezenas de turistas andavam à deriva à procura de espaço para acomodarem-se, em função da lotação registada nos hotéis, hospedarias e resortes, alguns dos quais reservados com mais de 15 dias de antecedência.
Na cidade de Benguela, outra alternativa entre os destinos turísticos internos, não se fugiu à regra, mas a opção de discussão entre quem procurava o serviço e os gestores das unidades hoteleiras era mais acessível talvez por a maior concentração ter ficado ao longo do percurso, concretamente no Sumbe (Cuanza Sul), onde decorria no fim-de-semana prolongado, pura coincidência, o FestiSumbe.
Se no Sumbe, os preços subiram dos anteriores 10 a 25 mil para kz 15 a 50 mil, em Benguela dos anteriores 10 a 24 mil foi possível verem-se preços entre os kz 12 e 30 mil, respectivamente.
De acordo com a Folha de Informação Rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE), em Agosto, a evolução dos preços foi influenciada pelos ajustes observados na classe “Saúde”, com 2,39 por cento, além dos aumentos verificados nas classes “Habitação, Água, Electricidade e Combustíveis”, com 1,80, “Bebidas Alcoólicas e Tabaco”. com 1,74 e “Vestuário e Calçado”. com 1,70.
As províncias que registaram os maiores ajustes foram Luanda e Lunda Norte, com 1,47 por cento cada, bem como Cuanza Norte, Lunda Sul e Namibe, com 1,40 cada. As com menor variação foram o Zaire com 1,00 por cento, Bié com 1,09, Cunene com 1,12, Cabinda, com 1,25, e Malanje e Moxico com 1,26 cada.