O ingresso de mais agentes económicos informais no mercado formal foi defendido, sexta-feira, na província do Huambo, pelo chefe da repartição fiscal, Euclides Dias, com o objectivo de aumentar a arrecadação de receitas para os cofres do Estado.
Este ingresso deve ocorrer com a legalização das actividades económicas dos agentes informais, disse Euclides Dias quando falava numa palestra sobre o papel da Administração Geral Tributária (AGT) na redução da economia informal.
Considerou importante que os agentes económicos adquiram à identidade fiscal (número de contribuinte), de modo a serem controlados pala AGT, no que respeita ao pagamento dos impostos.
Além do pagamento de imposto, esta medida tem como vantagens o acesso ao crédito e reduções
no pagamento de imposto.
Esclareceu que, em função do rendimento, todos os vendedores informais estão em condições de contribuir
com receitas para o Estado.
A AGT tem estado a trabalhar na sensibilização dos agentes económicos informais, com vista a trazê-los para a formalidade. Do mesmo modo, o Executivo tem estado a publicar políticas para o combate à informalidade como por exemplo, a criação da lei 30 e dos investimentos privados e o Balcão Único do Empreendedorismo.
Temas como a importância da contabilidade para fiscalidade, a tributação sobre os rendimentos dos grupos B e C, a importância da contribuição do imposto predial urbano, a ética e deontologia do profissional de contabilidade, foram debatidos no fórum sobre contabilidade e fiscalidade.