O Inquérito de Despesas, Receitas e Emprego em Angola (IDREA) atingiu 50% dos agregados familiares planificados na amostra.
De acordo com dados divulgados esta semana, cerca de 6 mil e 250 agregados familiares dos 12.500 seleccionados para o Inquérito de Despesas, Receitas e Emprego em Angola (IDREA) foram já visitados pelos inquiridores do Instituto Nacional de Estatística (INE).
O inquérito, que arrancou no dia 5 de Março em todo o país, entrou desde o último dia 27 até ao próximo dia 9 de Setembro, no 13º período de trabalho nas áreas selecionadas na amostra, dentre elas urbanas e rurais.
A operação visa recolher dados sobre as características sociodemográficas, registo de nascimento, educação e formação profissional, saúde geral, emprego, habitação, posse de bens do agregado familiar, segurança alimentar e nutricional, agricultura, pecuária e pesca.
De importância estratégica, o IDREA permitirá ao governo elaborar políticas, planos e programas públicos de melhoria das condições de vida da população, bem como saberá onde e em que condições vivem os cidadãos. Simultaneamente, possibilitará ao Instituto Nacional de Estatísticas actualizar a base de ponderação de cálculo do índice de preços ao Consumidor.
O IDREA é uma fusão de dois grandes inquéritos, nomeadamente, o de Despesas e Receitas e o de Emprego em Angola, sendo um processo com finalidade de calcular os indicadores sobre a pobreza no país.
Saliente-se que o artigo 11 da Lei 3/11 de 14 de Janeiro, Lei do Sistema Estatístico Nacional (SEN) protege toda a informação recolhida em operações do género e é obrigatório responder ao mesmo nos termos da alínea a) do art.3º do Decreto Presidencial nº 138/17 de 21 de Junho, regulamento das transgressões estatísticas.