O índice de produção industrial (IPI) registou no 4º trimestre de 2013 uma tendência decrescente em relação ao período homólogo do ano 2012, situando-se na ordem dos 2,2 por cento.

Os bens de consumo intermédios, foram os que tiveram maior crescimento comparativamente com os de consumo e de produtos de energia, que se situaram na ordem dos 3,3 por cento, quando comparados com o trimestre homólogo de 2012.

Segundo o relatório do Instituto Nacional de Estatística (INE), o número de pessoas ao serviço, assim como as horas trabalhadas neste período em análise, registaram variações positivas de 5,4 e 2,4 por cento, respectivamente, quando comparados com o trimestre homólogo.

Síntese dos resultados
O tecido empresarial angolano, em termos de número de unidades, registou uma tendência sempre crescente ao longo do período 2009-2012, com um crescimento médio anual na ordem dos 11 por cento.

Assim, até o final do período em referência foram inseridas no ficheiro de unidades estatísticas empresariais (FUE) 75 mil 733 empresas. Deste universo 31.403 encontravam-se em actividade em 2012, contra 34 mil 160 em 2011.
Do ano de 2009 a 2012 continuou evidente a concentração da actividade económica empresarial no país.

A nível geográfico, nas províncias do litoral com destaque para Luanda, por ramos de actividade no comércio, e a nível de forma jurídica, nas empresas em nome individual. Nesse período a estrutura do tecido empresarial angolano apresentou ligeiras alterações.
Quanto à distribuição de empresas em actividade por províncias, as mais representativas foram Luanda, Benguela, Kwanza-Sul, Huíla, Cabinda, Huambo e Uíje, com registos em 2012: 63,5; 6,7; 3,8; 3,3; 4,5; 2,9 e 2,0 por cento, respectivamente.

Considerando a distribuição de empresas nos diferentes ramos de actividade, em 2012, classificadas por secção, permanecem em destaque o comércio, actividades imobiliárias e alugueres, alojamento e restauração (hotéis e restaurantes), construção e indústrias transformadoras, com 47,9; 14,6; 7,3; 6,6 e 6,9 por cento, respectivamente.

No período em análise, a agricultura e produção animal de carácter empresarial despontou com uma participação em número de unidades equivalente a 4,0 por cento.

Mantém-se também a tendência de concentração de empresas nos sectores institucionais das famílias e das sociedades não financeiras privadas nacionais, com 53,1  e 46,5 por cento, respectivamente.

Índice de produção industrial
Índice de produção industrial de pessoal ao serviço e índice de horas trabalhadas, para o trimestre em referência, sendo considerado o ano de 2002 como base para a produção industrial. Os índices estão especificados por ramos de actividade industrial de acordo com os grandes agrupamentos de acordo com tipo de bens produzidos (bens intermédios, bens de consumo e bens de energia).

Estes dados são o resultado do inquérito à produção industrial “IPI” realizado pelo Ine, com regularidade trimestral à 428 estabelecimentos seleccionados a nível nacional: Luanda, Cabinda, Benguela, Huíla, Kwanza-Norte, Kwanza-Sul, Malange, Uíje, Huambo e Namíbe dos quais a província de Luanda com 299 estabelecimentos que representa 69,8 por cento do total da amostra.

Os estabelecimentos incluídos têm 20 ou mais pessoas ao serviço e cobrem mais de metade dos empregados do sector industrial.

O inquérito tem como objectivo, conhecer a estrutura, o crescimento e a produtividade do sector industrial em Angola bem como produzir informação estatística de base para as contas nacionais e outros utilizadores.

O Ine informa, que o facto de que a informação referente aos índices de volume de negócios e índices de preços industriais, não foram introduzidos devido a uma percentagem elevada de omissão de informação por parte dos informantes.

Assim, uma parte significativa dos dados disponíveis não é publicada neste relatório, pelo que o Ine pode disponibilizá-la mediante a formulação de um pedido específico.

Programa de produção
O Instituto Nacional de Estatística, publicou de 1997 a 2000 um índice de produção industrial (IPI), que integrava, dados recolhidos de 57 estabelecimentos, sendo o ano 1987 como base.

Este relatório tem como objectivo principal dar a conhecer a estrutura, o crescimento e a produtividade do sector industrial em Angola, no âmbito do programa de produção e difusão da informação estatística oficial de Angola. Por isso, esta publicação sobre estatística de produção industrial compreende índices e suas variações do trimestre em referência.

Trata-se de um novo índice baseado numa amostra que corresponde cerca de 300 estabelecimentos dos que responderam, cobrindo as actividades industriais: C, D, E. Assim sendo, foi elaborada uma nova estrutura de ponderação dos índices de produção industrial, considerando o ano 2002 como base.

Os índices foram calculados com base na informação recolhida dos estabelecimentos seleccionados. Todos os estabelecimentos declaram além das quantidades e do valor das vendas, o número de pessoal ao serviço, as horas trabalhadas, o volume de negócios e o valor das vendas dos bens produzidos.

A base fundamental para o cálculo dos índices é as quantidades dos produtos declarados e as horas trabalhadas.