Com esta abordagem, o escritor apresenta uma reflexão profunda sobre o processo que permitiu aos angolanos nativos à criação de riquezas.
Nesta primeira obra, que neste momento sofre os últimos detalhes para o seu lançamento, Avelino Capaco, especialista em branqueamento de capitais, refere que a acumulação primitiva de capital é um instrumento imprescindível para uma sociedade de modelo económico de mercado, que pretenda tornar-se politica e economicamente forte.
A obra é considerada como uma oportuna contribuição importante para o entendimento colectivo dos fundamentos histórico/políticos que justificaram e justificam a necessidade da acumulação primitiva de capitais em Angola.
Avelino Capaco traz na obra, a titulo de exemplo, alguns grupos empresariais resultantes deste processo transitório de acumulação primitiva de capital por parte de uma “elite” da sociedade angolana.
Avelino Capoco é licenciado em Relações Internacionais pelo Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI), licenciado em Direito pela Universidade Católica (UCAN) é pós-graduado em Combate ao Branqueamento de Capitais em 2013.

O conceito
A acumulação primitiva é um conceito criado por Karl Marx para descrever a gênese histórica do capitalismo. Adam Smith chamava o fenomeno de “previous accumulation”.
A chamada Acumulação Primitiva é abordada no capítulo 24 do Livro 1 d’O Capital.
Segundo Marx, a origem do modo de produção capitalista não está ligada a uma pura e simples racionalização da divisão do trabalho social, mas sim a um processo violento de expropriação da produção familiar, artesanal, camponesa, corporativa etc., que separou o produtor directo dos seus meios de produção e formou enormes massas de indigentes e desocupados, na verdade uma volumosa reserva de força de trabalho livre e disponível para ser comprada, o proletariado, por outro lado, a exploração das colónias ultramarinas, através de saques, especulação comercial, tráfico de escravos e monopólios mercantis propiciaram enormes oportunidades de enriquecimento para uma parcela da burguesia.