Uma considerável capacidade de reposição dos bens essenciais que, semana após semana, voam das prateleiras mostra a solidez do “stock” de produtos de consumo imediato dos principais centros comerciais.
Só por isso a época de saldos, com baixas de preços, validam a campanha promocional e que sem escassear as prateleiras fazem com quem a procura de alimentos e outros consumíveis aconteçam sem forte pressão. Durante a ronda efectuada pelo JE, constatou-se que os supermecados têm como principal objectivo reduzir preços e atrair a clientela. Alguns consumidores disseram à nossa reportagem serem positivas as recentes medidas de controlo do preço e reforço da fiscalização às unidades comerciais e praças.
A dona Aurora Saraiva, com quem cruzamos num dos supermercados de referências de Luanda, disse acreditar que os preços dos alimentos vão baixar mais, devolvendo, deste modo, o poder de compra das  famílias.
“Esta melhoria da oferta de bens e a consequente redução nos preços é fruto do aumento da disponibilização de divisas”, disse.