Os lucros do Banco de Fomento Angola (BFA) no exercício de 2018 calcularam-se em 174,2 mil milhões de kwanzas e 710 milhões de dólares. Tais valores representam uma subida de 152 por cento em relação aos 69,08 mil milhões de kwanzas de e 70,55 por cento no comparativo com os 416 milhões de dólares do balanço de 2017.
Em 2016, o resultado liquido do banco foi 61.912 milhões de kwanzas e 377,2 milhões de dólares.
De acordo com o Relatório & Contas que a administração pôs à disposição do público na sua página de internet desde a última segunda-feira, o banco controla 192 balcões em todo o país, mais um (191) que em 2017 e tem ainda no seu quadro de pessoal um total de 2.674 colaboradores. Em 2017 os colaboradores eram 2.611
depois de ter 2.632 em 2016.
Já o depósito de clientes no banco, por altura do fecho do balanço a 31 de Dezembro, ficou estimado em 1.232 mil milhões, 16,43 port cento acima dos 1.058 mil milhões de 2017. Em 2016, os recursos de clientes fixaram-se no balanço em 1.079 mil milhões, respectivamente.
Em termos de clientes/titulares de conta, o Bfa diz ter registado, no final de 2018, o número de 1.896.159 (um milhão oitocentos e noventa e seis mil e cento e cinquenta e nove), contra os 1.742.703 (um milhão setecentos e quarenta e dois mil e setecentos e três) de 2017 e 1.571.107 (um milhão quinhentos e setenta e um mil e cento e sete) de 2016.
Números não menos interessantes no balanço do Bfa têm a ver com os créditos sobre clientes fixados , em 2018, num valor de 295.84 mil milhões de kwanzas e 958,6 milhões de dólares. Em 2017, o balanço registou nesta rubrica 194,80 mil milhões de kwanzas e 1.17 mil milhões de dólares. Já em 2016 os dados atestam um crédito sobre clientes de 235,31 mil milhões de kwanzas e 1,41 mil milhões de dólares.

Aposta na digitalização
A disponibilidade de novos canais de comunicação entre o banco e os clientes também é uma componente que se mostra forte na estrutura de desempenho financeiro do Bfa. Em 2018, o balanço atesta que o parque de Caixas automáticas - ATM, vulgo Terminais de multicaixas fixou-se nos 393 em todo o país, mais nove (9) que as 384 controladas em 2017, que também já representavam um valor acima dos 382 terminais
instalados até 2016.
Já nos Terminais de Pagamentos Automatizados (TPA), o Bfa em 2018 controlou ao todo 13.727 dispositivos, contra os 10.917 de 2017. Os mais de 2.810 aparelhos disponibilizados em um ano revelam um banco mais próximo dos comerciantes e agentes empresariais. Em 2016 estavam contabilizados na estrutura do Bfa ao todo 9.876 Terminais de Pagamentos Automatizados.
Os indicadores do negócio de banca retalhista desenvolvido pelo Bfa fazem ainda menção de uma optimização da sua estrutura de formação. Constitui aposta contínua da administração do banco a profissionalização dos quadros bancários, onde apenas cerca de 20 por cento é constituído por expatriados.

Títulos abonam as contas anuais

O Banco de Fomento Angola (BFA) alterou, no exercício de 2018, a sua estratégia ao deixar de estar tão activo no mercado primário na compra de Obrigações do Tesouro Indexadas ao dólar. Foi efectuada uma operação de rollover com os seus clientes, em que os mesmos venderam ao banco os seus títulos que venciam em 2018 e compraram títulos
com maturidades mais longas.
O Bfa intermediou a Dívida Pública com os seus clientes em moeda nacional, registando um total transaccionado de 1.174,4 milhões de dólares. O Bfa conseguiu satisfazer a elevada procura que se fez sentir nos títulos indexados ao usd através da participação no mercado primário, onde o Bfa cimentou a sua liderança com uma quota
de mercado de 18,11 por cento.
Em 2018 a Bodiva registou um total de 3.878 negócios, um aumento de 83,9 por cento face a 2017, num total de 794,89 mil milhões de kwanzas negociados.