A visita aos tradicionais cinco supermercados de Luanda para o levantamento de preços, esta semana, visou verificar, uma vez mais, o comportamento dos preços, principalmente na véspera da quadra festiva.
Em determinadas secções é visível a chamada de atenção sobre eventuais promoções, na maioria delas ligadas aos electrodomésticos. Aliás, nas fases de promoções, os supermecados colocam geralmente à vista do cliente algum chamariz (merchandising).Esta semana, o Alimenta Angola, está a promover o açúcar, o leite líquido, a farinha de trigo e banana de mesa, depois de nas semanas anteriores ter registado uma corrida à carne bovina e fuba de bombó. Nos habituais supermercados onde passamos, os produtos promocionais são os que dão à cara. Por opção ou estratégia de marketing, o posicionamento das prateleiras ou frutarias seguem sempre a lógica do que atrai facilmente os olhos.
Numa semana em que continuam as promoções e baixas de preço dos produtos, mesmo na véspera do Natal, os clientes demonstram certa normalidade, uma vez que conseguem comprar mais com menos dinheiro.

Produtos nacionais Abarrotam prateleiras

O crescimento da oferta de bens de produção nacional está a devolver o equilíbrio que o custo final necessita. Faz tempo em que os produtos importados, face a escassez dos nacionais, pesavam no bolso do consumidor na hora das compras. O alegado custo das importações, devido ao fraco acesso às divisas já começa a ser história de outro tempo. Por um lado, o Banco Nacional de Angola (BNA) adoptou uma cedência criteriosa das divisas disponíveis, alocando em sectores-chaves e de acordo as prioridades concertadas com os organismos de oferta e a justificação é a de que também já cresce a oferta e concorrência de produtos nacionais, em quantidade e qualidade. Com isto, os preços de alguns dos principais produtos da cesta básica vão registando, de samana a semana, uma baixa nos mercados tanto formal como informal. Por outro lado, a satisfação surgiu também da parte dos consumidores, sobretudo com o preço da farinha de trigo, que motivou nos últimos meses a subida do preço do pão e a redução do seu tamanho, agora a ser comercializado a 12 Kwanzas o Kilograma, contra os 22 a 25 kwanzas praticados anteriormente.