As seguradoras angolanas pagaram, entre 2015 a 2018, cerca de 13,5 mil milhões de kwanzas em comissões de medição de seguros, de acordo com o presidente do Conselho de Administração da Agência Angolana de Supervisão e Regulação de Seguros (ARSEG).
Elmer Serrão disse que o mediador de seguros tem a obrigação de ser uma entidade isenta e imparcial que protege os interesses dos segurados e das seguradoras.
Acrescentou, ter o mediador maior facilidade de interpretar as regulamentações capitais e garantias abrangidos pelos contratos de seguros, além de oferecer as melhores condições de seguros ao seu cliente segurado.
“O sector de mediação tem crescido muito nos últimos anos. O sistema financeiro angolano está a sofrer transformações profundas e há, por isso, a necessidade de melhorar os mecanismos de supervisão dos mediadores de seguros e resseguros em Angola”, afirmou.
De acordo com Elmer Serrão, até ao momento, estão contabilizados 86 mediadoras pessoas colectivas, 25 agentes, 52 corretores de seguros directos, 16 corretores de seguros e 782 mediadores individuais.
Quanto a taxa de penetração dos serviços, actualmente estimada em 1 por cento, disse ser difícil fazer projecções de crescimento, porque os cenários passam pela melhoria da conjuntura económica que o país atravessa bem como a necessidade de aumentar o nível de educação financeira e cultura de seguros, no seio das famílias angolanas.
“E isso faz parte dos desafios da ARSEG para 2020. E para mudar essa realidade existe uma forte aposta não só da ARSEG mas também do próprio Ministério das finanças em fomentar a literacia financeira, no sistema financeiro angolano”, informou.

Convenção de mediação
A 1ª convenção de mediação de seguros, realizada, na semana passada, em Luanda, foi projectada para, sobretudo, massificar a actividade do mediador no sector.
Conforme o presidente do Conselho de Administração da Royal Seguros, Manuel Mateus, a sua instituição pretende, em parceria com a Associação dos Mediadores e Corretores de Seguro de Angola (ASAN), formar a partir de 2020, mais de dois mil agentes de mediação de seguros.
“O sector de resseguros e mediação de seguros desempenha um papel essencial para o crescimento do sector segurador em Angola. E essa convenção é também para despertar o jovem angolano a ver no ramo de mediação de seguros uma oportunidade de negócio”, afirmou.
Com o lema “a promoção do desenvolvimento do sector no mercado segurador angolano”, a primeira convenção, promovida pela seguradora Royal Seguros, serviu também para discutir os problemas e enriquecer o sector com novas ideias e soluções para garantir um segmento de mediação de seguros mais forte.