O crédito à economia, durante os meses de Outubro, Novembro e Dezembro de 2016, mostrou uma acentuada tendência de subida, posicionando-se nos 0,80; 0,94 e 1,62 por cento, respectivamente.
De acordo com dados compilados, que tiveram suporte nos comunicados das reuniões mensais do Comité de Política Monetária do BNA, no mês de Dezembro de 2016, o crédito bruto ao Governo Central (titulado e não titulado) diminuiu 2,68 por cento, enquanto os depósitos no sistema bancário expandiram em 14,52 por cento.
Já a base monetária restrita em moeda nacional contraiu em 2,82, enquanto que os bancos comerciais adquiriram divisas no valor de 1.947 milhões de dólares no mercado cambial, dos quais 1.486 milhões ao BNA e o remanescente aos seus clientes.
No mercado cambial primário, a taxa de câmbio média do kwanza face ao dólar norte-americano manteve-se inalterada, situando-se em 165,90.
Por sua vez no mês de Novembro, os bancos comerciais adquiriram divisas no valor de 1.304,00 milhões de dólares no mercado cambial, dos quais 1.110,00 milhões ao BNA e o remanescente aos seus clientes.
Nesse mês, o crédito bruto ao Governo Central (titulado e não titulado) cresceu 1,33 por cento, enquanto os depósitos do Governo no sistema bancário contrairam em 2,24.
Os dados do CPM/BNA avançam que, em Outubro, os bancos comerciais adquiriram divisas no valor de 1.397,00 milhões de dólares no mercado cambial, dos quais 1.242,00 milhões ao BNA e o remanescente aos seus clientes. No Mercado Cambial primário, a taxa de câmbio média do kwanza face ao dólar situou-se em 165,89 milhões, mantendo-se estável.
No período em referência, o crédito à economia aumentou 0,80 por cento.
Por outro lado, o crédito bruto ao Governo Central (titulado e não titulado) cresceu 0,18 por cento, enquanto os depósitos do Governo no sistema bancário contrairam em 1,80.
Os meios de pagamento diminuiram 0,64 por cento, sendo que a base monetária restrita em moeda nacional contraiu em 3,76 por cento, reflectindo o controlo da liquidez na economia.
Durante o trimestre em avaliação, o CPM/BNA decidira pela manutenção das principais taxas, sendo 16 por cento para a Taxa Básica de Juro - Taxa BNA; 20 para a da Facilidade Permanente de Cedência de Liquidez e 7,25 para a Facilidade Permanente de Absorção de Liquidez a sete dias.

MOEDA
Acesso a cambiais
com nova directiva

Banco Nacional de Angola adequa legislação os actuais desafios que se impõe ao sistema

 Banco Nacional de Angola (BNA) fez sair, recentemente, um aviso através do qual revê o processo de abertura e movimentação de contas para residentes não cambiais.
De acordo com o mesmo aviso 02/2017, as contas em moeda  estrangeira tituladas por entidades não residentes cambiais ou residentes cambiais, apenas podem ser movimentadas a crédito, mediante fundos provenientes do exterior ou remuneração proveniente de aplicações  efectuadas junto da instituição financeira bancária.
Os movimentos a débito só quando as operações cambiais destinam-se para efeitos de pagamento a residentes cambiais em moeda nacional; emissão de ordens de pagamento ou transferência para o exterior; transferências interbancárias em moeda estrangeira para contas tituladas por entidades residentes cambiais colectivas com as quais se mantenha relação de grupo.
Há ainda a via da utilização de cartões electrónicos de pagamento internacional ou quaisquer outros instrumentos de pagamento aceites no mercado internacional no limite dos saldos disponíveis e o pagamento de quaisquer encargos associados à manutenção de conta.