A concretização das metas previstas para a inflação pode ser uma das pechas de Vera Daves, no curto prazo, uma vez que os indicadores fazem crer que não se vai conseguir atingir os desideratos do Governo.
De acordo com o presidente da Associação Angolana de Comércio de Importadores e Exportadores, Luís Feliciano, a nomeação de Vera Daves anima o mercado, que já revelava alguma insatisfação com algumas das acções do sector das Finanças.
Aliás, Luís Feliciano entende que a actual ministra teve tempo para aprender com os erros e, nesta etapa do seu percurso, ser capaz de orientar as medidas de políticas com as quais se deverão orientar os planos de governação.
Questionado sobre que desafios a ministra terá de lidar, elencou três grandes desafios, em sua visão, sendo:
1. Estabilidade macroecónomica;
2. Resolução do problema da Dívida Pública para com as empresas nacionais;
3. Rigor, Transparência e Fiscalização na alocação dos recursos do Programa Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).
Luís Feliciano entende que Vera Daves deve tomar boa nota ao facto de os recursos alocados para o PIIM serem à revelia do OGE, o que deverá exigir maior controlo do seu pelouro para que se continue a mandar a mensagem de confiança aos mercados interno e externo.
Cumprido estes pressupostos avançados e outros aqui não elencados, mas que a ministra Veras Daves certamente os domina, pois por ter sido secretária de Estado é-lhe reconhecida um domínio privilegiado de muito dos dossiers sob tutela do pelouro que assume. “Por isso mesmo, o OGE 2020 não será estranho para a ministra, pois tem as suas impressões digitais”, disse.