Os bancos que operam no sistema bancário angolano estão, até ao momento, com níveis de capitalização capazes de dar resposta a situações mais adversas do mercado.
As garantias dadas pelo governador Valter Filipe da Silva, na entrevista que concedeu à TPA, serviram também para contrariar rumores de uma possível falência de bancos, entre públicos e privados.
De form a detalhada, o governador do Banco Nacional de Angola disse que os bancos públicos estão a ser recapitalizados e reestruturados de modo a ajustarem-se aos desafios do mercado e do próprio negócio.
O processo que já iniciou no Banco de Poupança e Crédito (BPC) e que levou a nomeação de um novo conselho de administração visa somente permitir que a banca pública possa responder a necessidade de expansão dos serviços e melhoria do funcionamento da administração pública. Depois disso e quando os accionistas assim o entenderem também dever-se-á prestar alguma atenção ao Banco de Comércio e Indústria (BCI).
Quanto aos privados, apesar de mostrar-se favorável às fusões, disse, sem mencionar quem, que apenas um banco mostra-se com necessidades de reforço das provisões e capitalização.
Para Valter Filipe da Silva, os bancos angolanos têm ainda entre os seus vários desafios o de ajustamento contínuo do seu “core business”, pois, que durante largos anos estes dedicavam-se muito ao negócio da moeda. Com as dificuldades actuais, gerou-se um certo pânico, mas que em nada descredibiliza as instituições nem os seus gestores. IL