A política monetária restritiva implementada pelo Banco Nacional de Angola (BNA) a partir da segunda metade de 2015, com o objectivo de moderar o crescimento da inflação na economia real tem se mostrado bastante eficaz tendo em conta os resultados que se tem alcançado no mercado de bens e serviços, segundo o relatório de 2016 do BPI publicado em Maio último.
O documento faz referência de que, no sentido de se atingir uma política cambial e monetária coerente, que permita resolver o problema da escassez de divisas no mercado, o BNA aumentou por 5 vezes a taxa, de 9 para 11 por cento.O mesmo documento assegura que, em 2016, o banco central procedeu a dois aumentos mais significativos. O primeiro ocorreu no início de Fevereiro, que ascendeu para 12 por cento, e o segundo para 14, isso no final de Março. A taxa de cedência de liquidez aos bancos também registou um aumento, passando a estar sempre 200 pontos base acima da taxa BNA a partir do final de Setembro do ano passado, seguindo assim os aumentos da primeira. O relatório assegura por outro lado que, o coeficiente de reservas obrigatórias a manter pelos bancos está estabilizado nos 25 por cento desde Junho de 2016, altura em que foi aumentado dos 20 por cento anteriormente vigentes.
O estudo indica que, durante o resto do ano, é expectável que a política monetária permaneça restritiva num contexto ainda adverso dos preços do petróleo no mercado internacional, e dada a necessidade de conter a procura agregada e suster o aumento da inflação.
Por isso, avança o documento, espera-se que, na sequência de um acordo para o programa do Fundo Monetário Internacional (FMI), Luanda continue a seguir esta perspectiva coordenada que é bastante aconselhada pela instituição. E de acordo com o aconselhamento do FMI, e já reconhecido pelo Executivo, existe a necessidade de tornar mais transparentes as decisões da política monetária, existindo critérios reconhecidos para a gestão do câmbio e das taxas de juro, quer sejam ou não a base monetária, à inflação e ou outros fenómenos.
O relatório assegura ainda que, no seguimento do alcance do equilíbrio no mercado, o Executivo implementou também, em conjunto com a política cambial e com as subidas das taxas de juro, outras medidas, como a definição de sectores e necessidades para os quais o BNA atribui prioridade nos leilões de divisas.