O leite é dos produtos de elevado consumo, sobretudo na fase incial e adolescente. Os adultos tomam-no sempre como reforço e em socorro à falta de outros alimentos com os mesmos nutrientes e valor energético.
De um tempo a esta parte, também com a cada vez maior oferta do leite em liquído (UHT), sentiu-se a uma acentuada estabilidade no acesso ao produto.
Todavia, nestes últimos dias, há uma visível redução na oferta do leite em pó da marca Nido, produto da Nestlé. O resultado é uma variação no preço de venda, que, conforme se vê no quadro ao lado, nos tradicionais cinco (5) supermercados de levantamento dos preços a variação é de 4.392 kwanzas, o mais baixo, para os 4.999, o mais alto. A verdade é que este cenário nalguns operadores que também visitamos na centralidade do Kilamba, o leite Nido de 1,8 kg está a ser vendido a 7,275 kwanzas e noutros 5.500. Sobre os leites UHT, depois da maka dos produtos contrafeitos, que não se provou da marca Mimosa, assiste-se que há um certo elevar do preço de outras marcas, que variam entre os kz 350 e 500 pelo litro.

leite para lactentes gera especulação no MERCADO informal

A procura é maior que a oferta e o cenário de eventual especulação está criado. O leite da marca Nan 1, para lactantes “Optipro” é, nos últimos dias, a nova dor de cabeça para os consumidores. Entre os supermercados, apenas no Candando encontrámo-lo ao custo de 3.444 kwanzas para a lata de 800 gramas. Nos demais estabelecimentos de levantamento de preços semanais encontramos outras marcas em preços equiparados. Na Maxi e Alimenta Angola, por exemplo, as marcas Momo e Nutribén estão disponíveis ao preço de 1.420 e 1.350 kwanzas para a lata de 400 gramas, além de Nan 2 e 3 de 800 gramas, que custam 3.000 kwanzas.
Talvez a mudança do que consumir seja uma boa arma contra os especuladores, que estão sempre à espreita em busca de oportunidades de lucro fácil, enquanto uns correm de cima a baixo para adquirir este ou aquele produto. O mercado formal e no informal há inúmeras alternativas. Tanto assim é que pelas redes sociais já circulam imagens e publicidades de ofertas do leite Nan 1, esgotado na maioria dos pontos habituais de venda. O senão é que o que custava 1.300 kwanzas (400 gramas) há uns dias, agora já se cobra pela mesma 3.000 kwanzas. Pelo que se vê e enquanto os produtores, representantes e revendedores oficiais da marca não se pronunciam, corre a mensagem de rotura total junto de farmácias e outros habituais pontos de vendas. Se caso de polícia ou não, a verdade é que,nesta altura do ano, tem-se assistido já uma estabilidade na oferta de muitos produtos de alto consumo junto das famílias.
O momento é propício para recomendar que em ocasião de acentuada escassez, os operadores devem adoptar outras regras de comercialização, pois de outro modo e como tem-se vindo a assistir, os especuladores e aproveitadores destas fases dos mercados ficam à porta dos supermercados compram quantidades enormes em preços oficiais e revendem-no ao seu gosto.
Na tabela dos lucros mínimos, Lei 18/14, o que se recomenda é que a margem oscile pelos 30 por cento. A verdade é que hoje por hoje os lucros em muitos casos superam os 100 por cento.