O Produto Interno Bruto angolano evolui de 20.262 mil milhões de kwanzas (usd 122,12 mil milhões), em 2017, para 28.832 mil milhões (usd 113,55 mil milhões), em 2018, de acordo com dados do Relatórtio da balança de Pagamentos e Posição de Investimento Internacional divulgado pelo BNA e que cita a Programação Macro Executiva em vigor.
A concorrer para tais resultados, de acordo com o documento, o comércio internacional de mercadorias entre Angola e o resto do mundo no terceiro trimestre de 2018 mostrou-se favorável ao país, devido ao aumento das receitas de exportação em magnitude superior ao das
despesas de importação.
No global, foi a recuperação do preço do petróleo nos mercados internacionais, no terceiro trimestre de 2018, a influenciar positivamente o valor das exportações de Angola, consolidando assim a posição superavitária da Conta Corrente. Também, no terceiro trimestre, a conta corrente registou uma melhoria significativa comparativamente ao período homólogo de 2017. Esteve na base desse comportamento o aumento do saldo da conta de bens na ordem de 48,8 por cento, o desagravamento do défice da conta de serviços e dos rendimentos secundários em 45,0 e 89,1 por cento respectivamente, assim como o agravamento do saldo da conta de rendimentos primários, na ordem de 20,2 por cento.
Por outra, o relatório sobre a Balança de Pagamentos confirma a apuração de um saldo da conta corrente que passou de um défice de usd 591,7 milhões no terceiro trimestre de 2017 para um superávite de 2.97 mil milhões no período em referência. estes indicadores sinalizam uma evolução positiva na ordem de 603,5 por cento, tendo o rácio da conta corrente sobre o PIB passado de 1,9 para 10,8 por cento.
Já o saldo da conta de bens registou um excedente de usd 6.78 mil milhões contra os 4.56 mil milhões do período homólogo, o que representa um crescimento de 48,8 por cento.

Refinados exportam 30,2 milhões de dólares
O aumento das exportações totais deveu-se, sobretudo, ao aumento do preço médio do petróleo bruto no período em referência, apesar da redução verificada em termos do volume exportado. O preço médio das ramas angolanas passou de usd 52,1 por barril no terceiro trimestre de 2017 para 75 no trimestre em análise, ao passo que o volume das exportações de petróleo passou de 146 para 131,7 milhões de barris.
As receitas de exportação de petróleo bruto cifraram-se em usd 9.87 mil milhões no terceiro trimestre de 2018 contra 7.60 mil milhões no mesmo período do ano anterior. Realça-se o aumento das receitas resultantes da exportação de gás natural em 7,7 por cento (usd 34,3 milhões), com destaque para o LNG, dos refinados de petróleo em 25,4 (usd 30,2 milhões)
e dos diamantes em 6,6
(usd 15 milhões).
Dentre os principais países de destino das exportações de petróleo bruto angolano, a China manteve-se em primeiro lugar, com uma quota de cerca de 62,3 por cento, seguida da Índia e da Espanha com 9,6 e 5,2 , respectivamente.
Quanto às importações de bens, atingiu-se um valor de usd 4,1 mil milhões no terceiro trimestre de 2018, o que representou um acréscimo em termos de valor na ordem de 3,6 por cento comparativamente ao período homólogo de 2017.
Não obstante o aumento do valor das importações, em termos de volume, observou-se uma redução em cerca de 29,8 por cento. As categorias de bens que mais contribuíram para o crescimento do valor das importações foram, essencialmente, os bens alimentares, as máquinas, aparelhos mecânicos e eléctricos, os combustíveis e os veículos, cujas despesas representaram 67,8 por cento do valor total das importações.