Empresas especializadas na distribuição e comercialização de alimentação apostam na venda da produção nacional em detrimento dos bens importados

As empresas e supermercados que abastecem as cidades com bens alimentares, tudo fazem para oferecerem aos seus clientes o melhor serviço possível. A eficiência e a qualidade são os principais compromissos. Este ano, para a quadra festiva, os produtos nacionais começam a ganhar o seu espaço, situação motivada pela sua quantidade e elevada qualidade.

Por exemplo, a empresa Pomobel (exportação e importação), especializada na distribuição e comercialização de alimentos, apostou, para esta quadra festiva, na venda de produtos nacionais, com destaque para a batata rena, sumos, cervejas, refrigerantes e água tónica. Segundo o sócio-administrador da rede de supermercados Pomobel, Raul Mateus, os produtos disponíveis nas lojas têm a integração aproximada de 10 por cento de produtos nacionais, quando, no ano passado, a quota era de sete. Esta aposta foi motivada pela qualidade e quantidade que os produtos nacionais têm estado a apresentar.

O responsável destacou ainda que o processo de modernização dos portos do país está a permitir e contribuir para que as mercadorias cheguem em tempo “record” para reforço dos stocks das empresas. Raul Mateus sublinhou que actualmente as lojas da Pomobel têm uma gama aceitável de produtos, suficientes para servir da melhor forma possível os clientes.

Cabazes

Quanto aos cabazes, a fonte anunciou que para esta quadra festiva a Pomobel dispõe de uma variedade de opções, cabendo ao cliente sugerir o próprio cabaz, dependendo da sua capacidade financeira.

“Temos muitas novidades, desde a composição dos cabazes que sofreram muitas alterações, tendo em conta as sugestões que muitos clientes foram apresentando, e também a nossa experiência neste sector, por sermos uma empresa especializada na distribuição de alimentação. A cada ano, temos apresentado soluções mais atractivas para os nossos clientes de acordo com a capacidade financeira de cada um”, frisou, antes de salientar que, para este ano, além da solicitação de cabazes vinda de quase todas as províncias, o grande foco da Pomobel está centralizado para as regiões centro e Sul do país.

Quanto à afluência dos clientes nos supermercados da empresa, Raul Mateus salientou que ela está a ultrapassar as expectativas, numa altura em que os cabazes começaram a ser solicitados desde o mês de Julho.

Martal

Nesta fase do ano, os produtos sazonais são os que predominam nas prateleiras dos diferentes supermercados. Na Martal (Sociedade de Comércio SARL), uma das principais empresas com redes de supermercados a nível de Luanda, o cenário não é diferente. Segundo o administrador da empresa, Manuel Pinheiro, para esta quadra festiva não haverá grandes alterações na comercialização produtos.

Com um atendimento diário de três mil clientes, no supermercado Martal, localizado no município da Maianga (Luanda), a reportagem do JE encontrou um movimento considerável de pessoas ávidas em adquirir produtos para que não falte nada em casa, nesta época festiva.

Manuel Pinheiro sublinhou que a celeridade na descarga dos produtos importados, como resultado da modernização que os portos nacionais sofreram, também contribui positivamente para que as lojas tivessem até à data tudo aquilo que internamente o mercado não produz. Como exemplo, o administrador da Martal destacou que o cabaz mais barato que no ano passado custava 200 dólares norte-americanos, para esta quadra festiva passou a ser vendido por 180.

A fonte salientou que a Martal contará no próximo ano com um centro de abastecimento e distribuição que terá como foco produtos nacionais. O empreendimento, a ser construído na zona do Bem-Vindo, comuna do Camama, município do Kilamba-Kiaxi (Luanda), ocupa uma área aproximada de 1.600 metros quadrados. Será equipado de câmaras de frio para a conservação de frescos, com destaque para os legumes, carne, peixe e salsicharia.

Alimenta Angola

O Cash & Carry Alimenta Angola, Lda, uma empresa especializada na distribuição e comercialização de diversos produtos, com destaque sobre os alimentícios, também está preparado para abastecer devidamente as lojas durante a quadra festiva. Presente no mercado desde Dezembro de 2009, a empresa de capitais mistos angolanos e brasileiros dispõe, na sua única loja, localizada na Estalagem, município de Viana (Luanda), cerca de 2.500 itens de produtos diversos.

Segundo Luiz Fernando de Mattos, um dos responsáveis da firma, para este ano, a Alimenta Angola fez um aumento de 45 por cento em todos os produtos de que dispõe. A empresa tem como principais clientes restaurantes e hotéis.

Nesta fase do ano, está a promover um desconto para quem adquirir produtos em grandes volumes.

No mercado nacional, a empresa adquire grande parte das cervejas, refrigerantes e sumos, enquanto a partir de Portugal, Brasil, Indonésia, China e Vietname importa outros produtos.

Para esta quadra festiva, a Alimenta Angola tem como novidade os enfeites da árvore de Natal, cuja adesão tem sido muito grande.

“Fizemos importação a partir da China de um conjunto de árvores e enfeites de Natal. Os acessórios tiveram uma aceitação muito grande no mercado. Os preços variavam entre 1.000 a 3.000 kwanzas por cada árvore e o seu enfeite. Estes preços fizerem com que, num curto espaço de tempo, toda a mercadoria importada esgotasse nos nossos stocks”, disse Luiz Fernando de Mattos.

Expansão

A empresa tem em carteira um projecto de construção em Luanda de 10 lojas, num período de cinco anos.

“Queremos primeiro nos consolidar em Luanda, para fortalecermos uma rede de abastecimento, e, depois, vamos expandir os nossos serviços para outras províncias. Temos um projecto que visa construir duas lojas por cada ano, perfazendo 10, num período de cinco anos”, anunciou, antes de informar que a empresa conta com 170 trabalhadores, entre angolanos e expatriados.

Leia mais sobre outras notícias da actualidade nacional e internacional na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação