As receitas fiscais na provincia do Cuanza Norte atingiram 1,4 mil milhões de kwanzas nos meses de Julho a Setembro do ano em curso, registando uma queda de 1,8 mil milhões.
A baixa colecta dos impostos ,segundo dados da delegação provincial de Finanças a que a Angop teve acesso, deveu-se ao actual contexto difícil da economia nacional que tem estado a influenciar negativamente a actividade dos contribuintes, associado à extinção do imposto de consumo de cerveja nacional, anteriormente pago pela cervejeira EKA - o maior
contribuinte da província.
Entre a natureza das receitas colectadas, a fonte destaca o imposto sobre rendimento de trabalho por conta doutrem com um saldo de 444 milhões, 798 mil e 781 kwanzas (correspondente a 42,5 por cento), imposto de consumo com 285 milhões, 289 mil e 59 kwanzas (27 por cento), a par do imposto sobre lucros da actividade económica com 294 milhões, 941 mil e 403 kwanzas (19,6 por cento).
No que se refere às arrecadações por repartições fiscais, a representação do Dondo (município de Cambambe) encabeça a lista com um valor de 517 milhões, 788 mil e 275 kwanzas, seguido da repartição de Ndalatando (capital da província) com 504 milhões, 938 mil e 445 kwanzas, enquanto a filial de Cambatela (município de Ambaca) amealhou apenas 22 milhões,86 mil e 950 kwanzas.
O Cuanza Norte tem repartições fiscais instaladas em apenas três dos 10 municípios da província, nomeadamente, Cazengo (sede provincial), Cambambe e Ambaca, estando a extensão da actividade às demais circunscrições, dependente da criação de infra-estruturas, aumento do quadro de recursos humanos e do crescimento da actividade económica local.
Com uma extensão territorial de 20 mil e 252 quilómetros quadrados, Cuanza Norte é uma província situada no extremo Oeste de Angola e dotada de um grande potencial em termos de recursos hídricos, minérios e vastas extensões de terras aráveis favoráveis para atracção do investimento privado e consequente alargamento da base tributária local.