O processo de reformas económicas em curso desde 2014, constantes do Plano de Estabilização Macroeconómica e do Plano de Desenvolvimento Nacional do Executivo, que corresponde ao período 2017/2022, está resultar num clima de estabilização macroeconómica, segundo o vice-governador do Banco Nacional de Angola, Manuel Dias, quando discursava no X encontro de estatísticas dos bancos centrais da CPLP.
A politica de diversificação das exportações e substituição das importações, a consolidação fiscal, a criação de condições para um melhor ambiente de negócios e atracção de investimento estrangeiro e, sobretudo, a política de flexibilização da taxa de câmbio (ajustamentos do mercado Cambial), são algumas das acções apontadas que tem contribuído para o aumento da competitividade da produção interna.
Manuel Dias disse que depois do BNA ter acolhido, pela primeira vez, em 2005, o 3º encontro dos Bancos Centrais da CPLP, constitui regozijo albergar o X, desta feita com mais três novos membros, nomeadamente Brasil, Macau e Timor Leste, que estiveram ausentes na altura.
“Deste modo, os bancos centrais, são desafiados a melhorar cada vez mais a qualidade das estatísticas por si produzidas, tendo em conta o seu papel”. disse.