Os talhos e as peixarias dos supermercados que actuam na rede de distribuição disputam entre si, todas as semanas, a preferência dos clientes pelos melhores produtos e preços de oferta na capital.
Nos locais habituais de levantamento dos preços da semana, a equipa do Hora das Compras (HC) foi junto à balança e mediu o peso dos preços, da qualidade e da disponibilidade a pronto de carnes, peixes, mariscos e outros frutos do mar.
Os agentes Candando, Maxi e Kero mostraram estar prontos para atender a procura dos clientes e garantir menor oscilação do preço, pois a oferta nacional responde aos gostos, segundo disseram os gestores de secção.
Na Maxi encontramos uma grande variedade de carnes já embaladas em diferentes tamanhos. Também uma variedade de aves, carnes de caça, vaca e porco. O peixe e marisco congelado são de oferta regular.
Já o Candando diz receber, directamente, de mais de 20 praias, de Ambriz (Bengo) a Porto Amboim (Cuanza Sul), produtos frescos do mar nas melhores condições de segurança alimentar.
O que a nossa equipa pôde observar é que em todos os operadores há uma convergência no custo do quilograma dos produtos que vão de kz 1.990 a 3.955.
Conforme se pode ver no quadro ao lado, na sexta e nona linha, os produtos de talho e de peixaria chegam a ser ainda dos mais caros na lista de compras. Mas para uns e menos noutros, os preços por quilograma de carnes abatidas (kz 1.399 e 2.199, o mais baixo e mais alto) e o peixe fresco/congelado (kz 2.224 e 2.553) são demonstrativos de um mercado onde a oferta informal ainda deverá merecer preferência de uma boa parte dos clientes.

rede falsifica produto lácteo

Os consumidores do leite Nan 1 estão a comprar produto impróprio, segundo apuramos esta semana, na ronda que efectuámos pela capital.
O produto para lactentes está escasso no mercado e os aproveitadores estão a embalar um outro leite qualquer, como se de Nan 1 se tratasse, e o vendem a preços especulativo. A lata de 400 gramas saiu de kz 1.200 e é vendido entre quatro e sete mil.
Ainda que sem problemas graves de saúde à vista, a recomendação da médica-pediatra Marcelina Cawinda é de os pais optarem por outras marcas da fase respectiva ou comprar em agentes idóneos.

cesta básica com preços estáveis em mbanza Congo

Os preços de venda de produtos da cesta básica mantêm-se estáveis no circuito comercial de Mbanza Congo, província do Zaire, apesar da aproximação da quadra festiva, altura em que se regista alguma especulação no preçário.
Numa ronda efectuada na última terça-feira, pela reportagem da Angop, por alguns estabelecimentos comerciais locais, verificou-se que os preços de venda de produtos como arroz, massa alimentar (esparguete), farinha de milho, trigo, óleo vegetal, açúcar, massa tomate e frescos mantêm-se inalteráveis face ao passado mês de Setembro em que se verificou um ligeiro aumento.
A título de exemplo, um saco de arroz importado de 25 quilogramas está a ser transaccionado entre cinco mil e 200 e cinco mil e 400 Kwanzas, o preço de fuba de milho importada oscila entre quatro mil e 500 e cinco mil e 300 Kwanzas, ao passo que o saco de trigo de 50 quilograma está a ser comercializado a nove mil Kwanzas.
Um litro de óleo vegetal de produção nacional está a 360 Kwanzas, um saco de 50 quilogramas de açúcar importado está a ser vendido a oito mil e 500, ao passo que o de produção nacional está a ser comercializado a nove mil e 100 Kwanzas.
Segundo explicações recebidas no terreno, a estabilidade nos preços deve-se ao facto de os fornecedores destes produtos, em Luanda, terem-nos mantido também inalteráveis.
Quanto aos frescos registou-se uma ligeira redução de preços, com a caixa de peixe sardinha de 20 quilogramas a custar quatro mil e 400 Kwanzas, menos 200 Kwanzas em relação à tarifa praticada há duas semanas.