O valor total dos activos das instituições financeiras ascendeu a 10.129.800 milhões de Kwanzas em 2017, correspondendo a um crescimento de 3 por cento face a 2016. De acordo com o estudo da Deloitte, o total do resultado líquido do sector bancário nacional registou um decréscimo de 6 por cento em relação ao ano anterior, passando para os 158.910 milhões de kwanzas.
Na posição relativa entre os cinco maiores bancos a operar em Angola, o BPC continuou a liderar com um activo total de 1.855.500 milhões de kwanzas, seguido pelo BFA, BAI, ATL e BIC. Os cinco maiores bancos representaram cerca de 67 por cento do total do activo do sector bancário e o seu activo registou um aumento de cerca de 4 por cento face ao ano anterior.
O presidente da Deloitte Angola, Duarte Galhardas, disse que, desde a publicação da 1ª edição do Banca em Análise que se constatou que o sector bancário nacional tem observado um progressivo a nível de desenvolvimento e grau de sofisticação, fruto da inovação e da qualidade dos produtos oferecidos aos consumidores, os quais são cada vez mais exigentes num sector de elevada concorrência.
O responsavel assegura que o aumento dos níveis de literacia financeira da população em Angola tem potenciado a qualidade dos serviços disponibilizados pelos bancos. Assim, o sistema financeiro tem assumido um papel fulcral na economia do país, funcionando como força motora para o desenvolvimento sustentado e transversal à sociedade e economia.
Por sua vez, José Barata, o sócio e líder do sector financeiro da Deloitte Angola assegura que no âmbito da actividade bancária, assistiu-se em 2017 a uma trajectória mista no comportamento dos principais indicadores do sector.
Observou-se um aumento global do total dos activos e dos capitais próprios dos bancos. No entanto, o crédito líquido concedido a clientes, o produto bancário e os resultados líquidos dos bancos registaram um decréscimo.”
“Neste período é ainda de destacar a conclusão do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro (IAS/ IFRS), uma medida muito relevante para o alinhamento dos bancos nacionais com as melhores práticas internacionais a nível de referencial contabilístico”, conclui.
Segundo o estudo, em 2017 o peso dos depósitos em moeda nacional manteve a sua tendência de crescimento em detrimento da moeda estrangeira, passando a representar 69 por cento dos depósitos totais.
O valor total dos depósitos de clientes no sector bancário foi de 7.013 mil milhões de kwanzas nesse mesmo ano, o que representa uma redução de 0,2 por cento face a 2016.
O total de crédito líquido a clientes registou uma diminuição em relação ao ano anterior.

7ª REGIÃO
alcança metas

A receita tributária da Sexta Região Tributária alcançou,no segundo trimestre do ano em curso, 35 por cento do valor previsto, ao atingir 15 mil milhões de kwanzas,concluiu o segundo Comité da Receita Regional reunido em mais uma sessão ordinária em Ondjiva, Cunene.
Os participantes ao segundo Comité da Receita analisaram a perspectiva de arrecadaçãopara o terceiro trimestre, os constrangimentos encontrados no trimestre em avaliação, além da receita por alcançar durante o ano, a dívida tributária e as acções a desencadear para o alcance da meta prevista.
Na agenda do encontro esteve inscrita a aprovação da acta da reunião anterior, a avaliação da arrecadação de receitas do segundo trimestre de 2018 e a sua comparação com o período homólogo e as acções a desencadear para o alcance das metas previstas. O encontro foi presidido pelo coordenador do referido comité, Osvaldo Mixinge.