Os serviços postais provinciais têm jogado um papel preponderante na comunicação entre a população das zonas rurais e urbanas das demais províncias do território nacional.

É nessa perspectiva que o secretário de Estado das Telecomunicações, Mário Augusto de Oliveira considerou os serviços de correios num instrumento fundamental que pode contribuir na captação de receitas a médio e longo prazos, através da criação de empregos.
O responsável teceu essas considerações na abertura do ciclo de palestras sobre a importância dos Correios de Angola, que decorre sob o lema “Os correios de Angola e seus serviços para o fomento ao micro pequeno negócio”, o responsável disse que estão a ser adoptadas políticas de proximidade junto deste segmento da economia e também na qualidade de serviço.
Mário Augusto de Oliveira disse que, com essa proximidade cria-se uma força motora para a diminuição do desemprego, aliciando a juventude a criar oportunidades empreendedoras.
Pretende-se, refere, que esses serviços tragam segurança, celeridade e qualidade, criando um diferencial patenteado para o desenvolvimento socioeconómico.
“Naturalmente todos nós conhecemos e ouvimos falar de situações de burla e de perdas de mercadorias. Essa acção prejudica a actividade destes pequenos e médios empresários, e o correio vem estancar isso”, frisou.
Mário Augusto Oliveira salienta que tem sido feito um trabalho com o conselho de administração e com o patrocínio do Ministério sobre a importância da inserção de mecanismos credíveis de forma a se atingirem potenciais investidores.
Fez saber que a fraca adesão da população local aos serviços da instituição deve-se também a falta de informação sobre os trabalhos que os correios realmente fornecem e, sobretudo, devido ao crescimento tecnológico.
Por isso, em 2017 foi criado o serviço de correspondente bancário que visa oferecer aos cidadãos, de todo o país, facilidades na inclusão financeira, para permitir que moradores de cidades ou vilas, onde não existam agências bancárias ou laborem com deficiência, possam usufruir de serviços financeiros, tais como abertura de contas, levantamentos e depósitos de dinheiro, transferências e acesso a empréstimos, a partir das estações dos Correios de Angola.
Por outro lado, está em curso a criação do banco postal, uma sociedade anónima com vocação para actuar no domínio da captação de poupança, anunciou a estatal em comunicado divulgado sexta-feira.
O capital social inicial do Banco Postal foi garantido por entidades empresariais angolanas, públicas e privadas, de entre as quais se destacam a Empresa Nacional de Correios e Telégrafos de Angola, ENSA Seguros de Angola, Grupo ENSA – Participações e Investimentos, EGM Capital e a C8 Capital.
A instituição financeira vai iniciar a respectiva actividade no último trimestre do corrente ano, através de uma das suas três unidades de negócio.

Cazenga credencia vendedores

Com o fito de garantir uma melhor prestação de serviço por parte dos vendedores ambulantes e não só, a administração municipal do Cazenga tem vindo a realizar visitas aos vários locais de venda com o objectivo de acomodar melhor os vendedores dos vários bairros, tendo em vista o programa de reorganização dos mercados.
Em função disso, 90 vendedoras, entre elas feirantes de mercado e ambulantes (vulgo zungeiras) recebem, desde Janeiro deste ano, cartões de identificação e deixaram de ser corridas pelos fiscais nos locais onde comercializam os seus produtos, no município
do Cazenga, em Luanda.
Para o administrador municipal do Cazenga, Victor Nataniel Narciso, o acto de identificação dos vendedores insere-se numa operação denominada” Formiga”, iniciada a 4 de Janeiro de 2018, daí começar  a entrega de cartões de vendedores no
mercado dos kwanzas.
Acrescentou ser o primeiro acto de credenciamento das vendedoras ambulantes (zungeiras), para que possam exercer a actividade dentro e fora dos mercados, desde que paguem a
taxas oficialmente exigidas.
No final do ano passado a administração do Cazenga iniciou com uma canpanha de organização dos mercados informais espalhadas em várias comunas, tendo comerçado com o mercado da BCA cujos vendedores foram transferidos para outras praças, como forma de garantir melhor qualidade nos produtos vendidos e a comodidade dos vendedores.
Cazenga, um dos nove  municípios da província de Luanda, conta com seis distritos urbanos, Tala-Hadi, Hoji ya Henda, Cazenga, 11 de Novembro,
Kima-kieza e Calwenda.
De um tempo a esta parte a administração do Cazenga tem realizado trabalho de sensibilização junto das vendedoras ambulantes para
a sua legalização. PP