Conforme constatação, as obras em curso na cidade do Lubango, província da Huíla, estão orçadas em 35 mil milhões de kwanzas (cerca de 212 milhões de dólares) e foram integralmente suportadas através de um financiamento do Banco de Fomento Angola (BFA).
“Devo realçar aqui a mobilização de recursos no sistema financeiro doméstico. Vamos assegurar que esta obra importante para o Lubango seja executada, não obstante o quadro financeiro actual”, disse o ministro das Finanças, que falava à imprensa durante o acto de consignação da empreitada assinada entre o Ministério do Urbanismo e o consórcio Omatapalo e Imosul.
Com base na apresentação técnica feita no local, as obras terão a duração de 36 meses e contemplam uma rede viária de 100 quilómetros de infra-estruturas integradas, onde se inclui uma circular sobre a cidade, desassoreamento das linhas de água, melhorias no abastecimento de energia, rede de distribuição de águas e obras de paisagismo.
O ministro Archer Mangueira deslocou-se ao Lubango, esta semana, acompanhado pela ministra do Urbanismo,
Branca do Espírito Santo.
Na capital da Huíla, os responsáveis foram recebidos pelo governador provincial e assistiram ao acto de consignação da obra do Projecto de Infra-estruturas Integradas. Procederam, igualmente, visitas às obras da Estrada Nacional 105 que liga a centralidade do Lubango à da Quilemba e às províncias da Huíla e Benguela.
Durante a sua estadia na cidade do Lubango, o ministro visitou ainda a Delegação Provincial de Finanças da Huíla e manteve um encontro com os funcionários da delegação e da Administração Geral Tributária, tendo apelado a sua dedicação em prol de um serviço público de excelência, particularmente face a actual conjuntura, em que se colocam grandes desafios na gestão macroeconómica.
Por sua vez, a ministra do Urbanismo, Branca do Espírito Santo lembrou que a mesma representa uma das obras estruturantes do seu pelouro, em coordenação com o Governo Provincial da Huíla e que aguardava apenas por condições financeiras para a sua execução, disponibilizadas agora pelo Ministério das Finanças, por intermédio da Unidade de Gestão da Dívida (UGD).
Já o governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, congratulou-se com o arranque desta empreitada que irá permitir à cidade do Lubango apresentar um outro visual e, consequentemente, melhorar e conferir maior dignidade aos habitantes daquela cidade.