O sistema financeiro do país carece de uma atenção especial no domínio da regulação e da supervisão, declarou o secretário executivo do Conselho Nacional de Estabilidade Financeira (CNEF), Gilberto Luther Gilberto Luther sustentou a sua declaração realçando que é notável essa necessidade que o sistema tem de ser de tal forma apoiado, desenvolvido e também robustecido, no que diz respeito à supervisão e à regulação.
Justificou que essa urgência de atenção especial decorre da importância do sistema financeiro na estratégia de desenvolvimento e diversificação da economia nacional.
O gestor escusou-se a admitir a existência ou inexistência de estabilidade macroeconómica, mas afirmou haver constrangimentos macroeconómicos que têm impactos no sistema financeiro por serem realidades que auto-influenciam-se.
“Se temos situação de inflação, de distorções ao nível cambial, obviamente que elas terão impacto ao nível financeiro, do comportamento dos actores do sistema financeiro, e os reguladores assim como os que procuram as políticas do Executivo buscam equilíbrio que permitam ao sistema cumprir aquilo que é a sua função”, argumentou o director do Cnef.
Explicou que a função do sistema financeiro é sustentar a economia, que os bancos concedam créditos, criar mecanismos alternativos de captação de recursos para as empresas, mormente por via do mercado de capitais, que os seguros possam cumprir o seu papel de garantir a segurança dos investimentos e que os fundos de pensões permitam outras formas de as pessoas capitalizarem as suas poupanças”.