No interior dos supermercados do sector de distribuição nacional e onde se fazem levantamentos semanais de preços (conforme quadro ao lado), o comportamento dos clientes é cada vez mais objecto de estudo dos gestores destes empreendimentos comerciais.
Tal atitude é vista pelo facto de semana após semana verificarem-se subidas e descidas nuns e noutros produtos expostos nas prateleiras destas unidades de comércio a retalho.
O referido custo dos bens e serviços oscila, mas procura manter um certo equilíbrio na sua estrutura de oferta.
Esta semana, da leitura que se faz do quadro de preços, produtos como o leite líquido e em pó, a batata rena, feijão e mesmo o arroz registaram ligeiras alterações em comparação com os da semana passada.
Já em produtos como os peixes e carnes, a massa alimentar e o ovo verifica-se certa estabilidade no seu preço de venda. Em sentidos opostos e às vezes visto como facto curioso, o pão é dos alimentos que mostra total estabilidade no seu preço, ao contrário dos operadores informais e alguns formais que subiram os preços e com eles o volume. Nos supermercados, para notar, o pão custa o mesmo, mas em vários casos parece perder a unidade de volume, pois vai encolhendo no tamanho. Isso faz prever que a estratégia de subida foi aplicada na redução do volume.
Esta semana ficou, uma vez mais, visível a preocupação dos gestores em manter a linha de fidelização dos clientes, enquanto que destes (clientes) não sai da regra a verificação dos preços de cada produto antes de os comprar e isso reforçado com uma lista de prioridades. AQ