uem, durante o mês de Outubro, comprou bens e serviços nas províncias do Zaire, Bengo e Cabinda (0,17 por cento cada) ressentiu muito menos a tendência de subida que os preços registaram nesse período face a uma acentuada quebra do poder de compra das famílias no mercado. O mesmo não se pode dizer dos consumidores de Luanda (1,35), Cunene (1,12), Cuando Cubango e Lunda-Norte (1,00). Nestas localidades, a variação em alta dos preços foi bem mais visível.

Segundo o relatório sobre inflação do Instituto Nacional de Estatística (INE), medido através do índice de preços no comsumidor (IPC), os produtos de origem importada continuam a ser os que mais pressionam, embora os bens locais também tenham registado uma ligeira alta no período em referência. No global, o IPC variou 1,17 por cento.

Em termos de contribuição de classes, a de “Bebidas alcoólicas e tabaco” com 1,65 por cento foi a que registou o maior aumento de preços.

Destacam-se também os aumentos dos preços verificados nas classes “Habitação, água, electricidade e combustíveis” com 1,59, “Bens e serviços diversos” com 1,52 e “Lazer, recreação e cultura” com 1,47.

A variação homóloga situou-se em 12,40 por cento, sob o registo de um aumento de 4,92 pontos percentuais em relação à observada em igual período do ano anterior.

Na incidência inflacionária de Outubro, os 24 produtos seleccionados do cabaz, que têm a maior contribuição para a taxa de variação do IPC, mas que no seu conjunto representam 10 por cento, concentram cerca de 55,05 por cento da taxa global de variação.

Já no Cuanza Sul, o índice de preços no consumidor da província registou uma variação de 0,99 por cento, durante o período de Setembro
a Outubro de 2015.

A classe “Vestuário e calçado” foi a que registou o maior aumento de preços com 1,74. Destacam-se também os aumentos dos preços verificados em “Alimentação e bebidas não alcoólicas” com 1,20; “Saúde” com 1,12 e “Bebidas alcoólicas e tabaco” com 1,06.
Em Benguela, o IPC registou uma variação de 0,80 por cento, durante o período de Setembro a Outubro.

Ao nível das contribuições, a classe “Bebidas alcoólicas e tabaco”, de igual modo, foi a que registou o maior aumento de preços com 1,33. Destacam-se também os aumentos dos preços verificados nas classes “Saúde” com 1,18. A de “Vestuário e calçado” com 1,00 por cento.

A classe “Saúde”, na província do Huambo, foi a que registou o maior aumento de preços com 1,59 por cento. Destacam-se também os aumentos dos preços verificados nas classes “Alimentação e bebidas não alcoólicas” com 1,21 e na “Hotéis, cafés e restaurantes” com 1,07 e “Mobiliário, equipamento doméstico e manutenção” com 1,03 por cento.

O IPC da província registou uma variação de 0,93 por cento.