Para se aumentar o valor real de um produto para o cliente, pode-se utilizar uma técnica denominada “análise de valores”. A análise de valores está fundada na análise das funções do produto. Esta análise pode ser realizada com o objectivo de se obter uma redução de custo, resolver algum problema existente, etc, sempre preservando ou aumentando a qualidade. A análise de valores é feita de uma maneira ordenada, obedecendo a uma metodologia específica, por um grupo multifuncional, representando todos os sectores da empresa. As funções de um produto são usos para os quais este produto é feito ou destinado. Para descrever cada função, usa-se um verbo e um substantivo, por exemplo,”produzir luz” define a função de uma lâmpada eléctrica. Existe uma limitação: o verbo não pode ser um verbo de ligação, pois neste caso seria descrita uma característica do produto e não uma função, por exemplo, “ser transparente”. As funções de um produto são classificadas em dois tipos: Função de uso: é a tarefa técnica de desempenho do produto. Para uma lâmpada, por exemplo, a função de uso seria” produzir luz”. Função de estima: está ligada aos factores motivacionais de compra, que provocam o desejo de aquisição. As funções são também classificadas em três classes: básica, auxiliar e desnecessária. A função básica é aquela para a qual o objecto é comprado ou fabricado. Para a lâmpada, seria” produzir luz”.
A função auxiliar é a que permite a existência da função básica, como “segurar filamento” ou adicionar valor ao objecto, como “dar atractividade”. A função desnecessária é uma tarefa desempenhada pelo produto que não tem valor nenhum para o usuário e que o fabricante não precisa realizar para obter a função básica. Identificar as funções desnecessárias e eliminá-las é a primeira tarefa da análise de valores, pois elas estão associadas a custos .