A República de Angola e a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) traçaram as linhas e planos de acção com vista a implementação de um acordo de cooperação envolvendo 140 bolsas de estudo a nível de doutoramento e pós-doutoramento.
A informação foi prestada em Luanda pelo representante regional da Unesco para a África Central, o egípcio Salah Khaled, que esteve no país para contactos com as autoridades angolanas sobre, entre outros assuntos, o programa de cooperação entre Angola e a Unesco na área da educação.
De acordo com Salah Khaled, durante a visita a Angola, a sua primeira desde que foi nomeado representante da Unesco para a África Central, há oito meses, reuniu-se com a ministra da Ensino Superior, Ciência, tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Bragança Sambo, com a ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, na qualidade de presidente da Comissão Interministerial criada pelo chefe de Estado angolano, João Lourenço, para acompanhar todo o programa de cooperação entre Angola e a Unesco.
Com a ministra da Cultura, Salah Khaled disse ter analisado aspectos ligados ao início da Bienal de Luanda sobre Cultura de Paz em África, um compromisso assumido pelo chefe de Estado angolano, durante a sua visita à sede da Unesco, em Maio deste ano.
O representante da Unesco considerou a Bienal de Luanda sobre Cultura de Paz, a ter lugar em Setembro de 2019, como um grande evento ao qual participarão jovens de países africanos e de outros continentes.
Durante a sua estada em Angola, para além das entidades acima referidas, Salah Khaled, que deixou já o país, encontrou-se com responsáveis dos ministérios da Juventude e Desportos, Transportes, Ambiente e Telecomunicações, com quem discutiu vários temas.