Se pudéssemos fazer uma analogia do funcionamento de um empreendimento ao do corpo humano, poderíamos sugerir que a gestão financeira é o coração: fornece suprimento para todas as outras áreas. Caso pare de funcionar, todo o resto também pára.
Por outro lado, o funcionamento do coração deve-se, sobretudo, aos comandos do cérebro. Assim, é importante que qualquer gestor, responsável pela gestão financeira da empresa, esteja devidamente habilitado para fazer boa gestão por processos gerenciais.
Por isso, confira agora algumas dicas de gestão financeira que irão trazer uma visão mais abrangente de processos gerenciais, e impulsionar cada vez mais a sua empresa:

1. Adquira conhecimento em gestão de negócios: manter-se actualizado em relação às novas ferramentas e conceitos teóricos em gestão de negócios é essencial a gestores que, limitados pelo excesso de tarefas e falta de tempo, acabam optando por decisões diárias, tomadas com pouco ou nenhum planeamento;

2. Realize um planeamento estratégico: deve-se formular o planeamento estratégico periodicamente. Para defini-lo, deve-se reflectir sobre a direcção estratégica a ser tomada, os projectos e os seus planos operacionais, os objectivos de cada estratégia, as responsabilidades e os prazos;

3. Atenção à organização e gestão orçamental: é interessante que a empresa apresente um plano táctico (orçamento) anual, que deverá conter as projecções de receitas, despesas e do balanço patrimonial da empresa;

4. Faça um controlo mensal: para que os gestores tenham condições de acompanhar os rendimentos e verificar se o plano táctico está a ser, de facto, cumprido, é importante acompanhar regularmente os números da empresa;

5. Cuidado com a desorganização dos documentos: processos gerenciais efectivos requerem organização sistemática da papelada acumulada;

6. Administre correctamente o seu fluxo de caixa: seja calculando erroneamente os ganhos ou subestimando as perpectivas de gastos, a má administração do fluxo de caixa pode levar a diversos prejuízos, de tempo, esforços e dinheiro;

7. Separe as verbas pessoais das empresariais: separar a questão financeira pessoal da empresarial é básico e deve ser resolvida logo no início do empreendimento;

8. Evite gastos exorbitantes com folhas de pagamento: a empresa mostra-se mais controlada financeiramente quando gastos com folhas de pagamento não ultrapassam entre 30 e 40 por cento do facturamento;

9. Pense no futuro: o crescimento da empresa depende, também, das projecções feitas e quais os próximos passos a se seguir. Inclusive, a cada novo direccionamento, deve-se propor novos planos estratégicos e tácticos. A estagnação surge quando não se sabe para onde ir.