As organizações sem fins lucrativos são organizações de direito privado, dotadas de personalidade jurídica e que visam à consecução de um objectivo comum dos seus membros, objectivo este que não pode ser em nenhum momento o lucro.
No que toca as suas características fundamentais, constitui, de primeira, a reunião de diversas pessoas para a obtenção de um fim ideal, podendo este ser alterado pelos associados, ausência de finalidade lucrativa. O seupatrimónio é constituído pelos associados ou membros cujo reconhecimento da sua personalidade deve ser feita por parte de uma autoridade competente.
Estas organizações podem ser associações de classe ou de representação de categoria económica ou profissional, instituições religiosas ou aquelas que sejam voltadas à disseminação de crenças religiosas fazem parte desta categoria, entre as quais os clubes, associações de moradores, associações com objectivos sociais de promoção de património histórico, de saúde, preservação do meio ambiente e outras.

Tipos de fundação
No que diz respeito ao tipo de fundações, estas podem ser organização não governamental, sociedade civil de interesse público, terceiro sector, clubes de futebol amadores e semiprofissionais. As organizações sem fins lucrativos ou conhecidas do “Terceiro sector”, segundo Druker, são adoptados para se referir às organizações que trabalham sem terem como fins o lucro.
Para Junqueira, as organizações sem fins lucrativos “são organizações públicas privadas, porque estão voltadas não à distribuição de lucros para accionistas ou directores, mas para a realização de interesses públicos, entretanto, estão
desvinculadas do aparato estatal”.
Num sentido mais simples, porém aplicável, Lizuka, define estas organizações como aquelas que trabalham, na sua maioria, com pessoas que estão à margem da sociedade, ou seja, com uma parcela da população que se
encontra excluída socialmente.
Neste sentido, elas tornaram-se a maior fonte de expressão do ser, tornando-se das soluções para problemas sociais que impedem o homem de ter uma vida
com plenitude de cidadania.
Assim, destaca-se vários aspectos que as organizações sem fins lucrativos, na sua organização interna, buscam privilegiar a cooperação e responsabilidade social, colectiva e compartilhada; a convivência de formas plurais de trabalho, compostas de assalariados, voluntários e outros parceiros; fontes híbridas de recursos como de mercado, não mercantis de financiamento ou suporte do Estado ou agências de fomento, não monetários com doações de bens ou serviços e a informação contínua, estreitando os vínculos com a entidade e com a causa.
O outro elemento que não pode escapar é o desenvolvimento de alianças e parcerias com outras entidades ou públicos diversos, pois não se pode esquecer do imperativo de independência e sustentabilidade das mesmas para a sua sobrevivência diária, cuja a fonte de finaciamente é o Estado ou particulares interessados.