A 1.ª edição da Bienal de Luanda - Fórum Pan-Africano para a Cultura da Paz, realizada de 18 a 22 de Setembro deste ano, foi sem dúvidas o maior evento cultural do ano, tendo reunido 16 países africanos e 600 participantes internacionais, com a temática de compromisso com a paz e o desenvolvimento sustentável.
A bienal é uma plataforma para promover a diversidade cultural e a unidade africana, um lugar propício para intercâmbios culturais e intra-africanos, sendo uma reunião especial, que reúne a cada dois anos actores e parceiros de um movimento pan-africano para a prevenção da violência e dos conflitos e a consolidação da paz.
Aberta pelo Presidente da República, João Lourenço, teve duração de cinco dias e ficou marcado pela realização de fóruns de ideias, festival de culturas, aliança de culturas e desportos a favor da paz e aliança dos parceiros para a cultura de paz em África.
O fórum de ideias teve como focos temáticos os refugiados, retornados e deslocados internos em África, a africanidade global, ou seja, as ligações entre África e as diásporas, a prevenção da violência, resolução e mitigação de conflitos através da cultura e da educação, a prevenção de conflitos em torno dos recursos naturais transfronteiriços, entre outros.
Além de 12 países de África, participam Estados como Brasil, Portugal e Itália, países que representarão a diáspora africana. As embaixadas com presença em Luanda tiveram também o seu peso no evento. A Bienal foi organizada em torno dos seguintes eixos: Fórum dos Parceiros/Aliança para África, Fórum de Ideias, Fórum da Juventude, Fórum das Mulheres e Festival de Culturas, com demonstração clara de sucesso.