A captação de investimentos é uma forma de atrair investidores interessados e gerar a quantidade de dinheiro necessária para o sucesso do negócio. Uma das grandes vantagens desta captação é que ela pode ser feita de formas diversas, individual ou coletivamente. Veja as cinco dicas para uma captação eficiente:
1. Encontre os investidores certos - Para acertar, comece por fazer um bom networking e reunir contactos, empresas e incubadoras adequadas para o seu negócio. A partir daí, selecione aqueles com maior potencial e interesse de investimento;
2. Faça uma apresentação adequada e estruturada - o objectivo de qualquer investidor é lucrar com a alocação de recursos realizada por ele. Sendo assim, o seu negócio precisa se mostrar seguro e rentável para que o investidor sinta confiança e ofereça os recursos;
3. Apresente os benefícios e inovação - boa parte dos investidores tem medo de perder uma promissora oportunidade e, por isso, deve apresentar o seu negócio como a próxima escolha de sucesso;
4. Conte com a ajuda de consultores - considerando que a apresentação é tão crucial para conseguir os recursos, vale a pena pensar em contar com a ajuda de consultores. Ao contratar uma consultoria você vai conseguir reunir os dados e análises mais atrativos sobre o seu negócio e vai conseguir elaborar a apresentação ideal;
5. Cuide da sua apresentação pessoal - por mais que investidores estejam interessados em números e probabilidades, eles também têm critérios subjectivos e um deles diz respeito à liderança do negócio. Por mais promissor que seja seu empreendimento, se ele não tiver uma liderança firme provavelmente não vai conseguir realizar uma boa captação.

Cinco maiores erros
cometidos na sucessão

Excesso de centralização e pouca profissionalização são vistos como os males que afectam a transição

A sucessão empresarial pode se tornar uma grande dor de cabeça se não for bem feita. E não é uma situação difícil de ser prevista: os responsáveis pela organização não vão viver para sempre e nem trabalhar pelo resto da vida. Poucas empresas se preparam para o momento efectivo no qual precisam providenciar a substituição dos seus fundadores. Então, confira os cinco maiores erros:
1. Falta de planeamento - é praticamente impossível prever a morte de um dos donos da empresa, mas é possível amenizar os efeitos da perda com um bom planeamento.
Dessa forma, quando chegar o momento, a sucessão será feita de forma mais simples, rápida e eficiente;
2. Pouca profissionalização - empresas familiares costumam sofrer muito com a falta de profissionalização dos seus integrantes. Em geral, os fundadores costumam colocar membros da família em sectores estratégicos. Isso não é, necessariamente, um problema, mas é preciso fazer com que as trocas entre familiares e profissionais oriundos do mercado enriqueçam a gestão;
3. Excesso de centralização - além do problema da falta de comunicação e da impossibilidade do surgimento de novas ideias, a centralização cria uma enorme barreira para a sucessão;
4. Números pouco reais - o problema é que, no momento da sucessão, a empresa passa por um trabalho de auditoria que pode revelar aos novos líderes que a situação que foi prometida não é exactamente aquela que os espera;
5. Perfis profissionais mal definidos- uma maneira adequada de se preparar a sucessão empresarial é investir na definição dos perfis profissionais que melhor se encaixam no cargo principal.