O Continente Africano deve começar a olhar mais para o seu potencial turístico, sobretudo pelos seus cinco motivos históricos para explorar e colocar na sua rota de férias:

1. Origens da Humanidade
Alguns países podem ter marcado mais do que outros a história da humanidade – no Vale do Rift encontramos a origem da própria humanidade. É lá, em Addis Abeba, que podemos dizer olá a Lucy, nosso ancestral mais famoso. A Etiópia reclama, tal como a Arménia, o estatuto do primeiro Estado cristão;

2. Paisagens de cortar a respiração
Campos verdes, eucaliptos altos, encostas de montanhas com pequenas casas redondas com telhados de palha. A Sul, nas terras baixas, argila e acácias vermelhas, em que os pastores e crianças pastam as vacas corcundas. E na Depressão de Danakil, paisagens lunares, lago de lava de Erta Ale, depósitos de sal enormes, uma curiosidade geológica, uma paisagem totalmente mineral, um dos desertos mais impressionantes do mundo;

3. Uma cultura singular
Ocupada pelas tropas de Mussolini, a Etiópia é o único país africano que não foi colonizado. Uma cultura original e preservada: o único alfabeto africano, um calendário de treze meses, as improvisações impertinentes dos azmaris. Tudo é uma surpresa na Etiópia;

4. Descobrir Rimbaud Em Harar
Harar, uma fortaleza muçulmana isolada no Leste da própria Etiópia cristã: cidade irredutível, orgulhosa da sua história, longe de tudo – no espaço e congelada num tempo irreal. Aqui o desafortunado Arthur Rimbaud, poeta francês,
terminou o seu exílio;

5. Meditar numa igreja de Lalibela
No coração da Etiópia, numa região montanhosa, as onze igrejas monolíticas medievais desta “nova Jerusalém” do século XIII foram escavadas na rocha perto de uma aldeia tradicional com casas redondas. Lalibela é uma Meca do cristianismo etíope, um lugar de peregrinação e devoção.