Acirculação de informação dentro das empresas, sejam elas públicas sejam privadas, transmitem confiabilidade os trabalhadores, clientes e todos os intervenientes do ambiente organizacional, sobretudo, se se tiver em conta que a comunicação interna é a função responsável pela informação efectiva entre os integrantes da empresa. Além disso, ela engloba todas as práticas e processos comunicativos de uma determinada organização com o seu público interno (funcionários, colaboradores, accionistas).

Efeitos positivos
Analistas da gestão moderna, hoje, sabem que é a comunicação interna que estabelece de forma correcta, além de resultados positivos nas áreas administrativa e o mercado, a harmonia de todos os que constituem a empresa, tornando o ambiente administrativo mais funcional, criando um planeamento estratégico, padronizando os seus veículos de cmunicação. Desta forma, a organização consegue passar informações importantes, de forma organizada, clara e objectiva para o seu público interno, evitando o surgimento de suposições e comentários errôneos, deixando os funcionários seguros e motivados, estabelecendo uma imagem harmoniosa e clara que transmite confiabilidade e credibilidade. Neste processo de reestruturação, são vários os recursos que a organização pode utilizar para que esta comunicação interna comece a funcionar, trazendo resultados positivos com o passar do tempo, como a criação de uma estrutura de intranet única, a utilização de um jornal interno, realizando pesquisas de satisfação e clima interno para tomar conhecimento da imagem que a organização possui entre os seus colaboradores.

Falta de informção
Os colaboradores de uma organização querem ter conhecimento dos negócios da empresa, das decisões que ela toma e da situação em que ela se encontra. A falta de informação e de comunicação entre empresários e funcionários acaba por gerar desmotivação e falta de comprometimento, daí que se torna fundamental comunicar a missão da empresa, os seus valores, as metas e os objectivos ao público interno, pois quanto maior for o seu envolvimento com a organização, maior será o seu comprometimento.
Portanto, na visão de Scroferneker, ela compreende os procedimentos comunicacionais que ocorrem na organização, apoiando-se em ideais administrativos, com o objectivo de proporcionar meios que promovam uma maior integração dentro da organização, mediante o diálogo, a troca de informações, experiências e a participação de todos os níveis.

Estrutura de comunicação
Identificar os canais de comunicação interna adequados é uma tarefa cuidadosa que exige um bom conhecimento da empresa, dos seus costumes, da sua cultura e do perfil dos empregados, devendo esta envolver as áreas de recursos humanos e maketing, que são responsáveis directas na cadeia de comunicação interna, para que a fluidez de dados possa realmente chegar a todos. O conhecimento do público e saber como chegar a cada um são o ponto de saída e a garantia do sucesso de um programa de comunicação interna. O cuidado com a linguagem e com os meios também é fundamental. Não se pode informar a todos da mesma maneira, com a mesma linguagem e com os mesmo veículos, a não ser que se dê preferência à linguagem simples e que todos tenham acesso ao veículo, que pode ser uma reunião colectiva, anúncios, circulares ou um informativo impresso.
Hoje, devido aos elevados custos, muitas empresas escolhem a comunicação interna via internet ou intranet, quando todos, ou grande parcela têm acesso a ela. Caso contrário, as alternativas devem ser identificadas, como murais em locais estratégicos (refeitório, entrada da empresa, local visíveis e em sistema de som. Qualquer iniciativa de comunicação deve passar por planeamento, revisto e discutido por uma equipa que contemple várias áreas da empresa, desde que a área de comunicação e a de recursos humanos interajam e se comprometam com o processo.